Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( )

Sem patrocinador master há 1 ano, Peixe corre para obter a CND

Do correspondente Tiago Salazar Santos (SP)

A saúde financeira do Santos Futebol Clube tem se agravado nos últimos tempos. Os recursos que entravam de forma rápida e constante enquanto Neymar vestia a camisa 11 já fazem parte do passado e a nova realidade é outra.

Uma das principais fontes de receita dos clubes brasileiros, o patrocinador máster, aquele que estampa sua marca na área nobre da camisa, não anda muito fácil de se encontrar. O time de Vila Belmiro não tem um acordo fixo desde janeiro de 2013 e tem recorrido a patrocínios pontuais, conforme os jogos vão acontecendo.

“A Copa do Mundo tem atraído todas as atenções das empresas em geral e a maioria dos clubes estão sem patrocinadores máster, muitos clubes grandes”, justifica o clube, através da assessoria de imprensa.

No caso do Peixe, a busca neste mercado está mais complicada já que o clube não obtém a CND (Certidão Negativa de Débito). Sem o documento, verbas repassadas de órgãos públicos, como bancos estatais, não podem ser pleiteadas.

Atualmente, o Santos tem em mãos a Certidão Conjunta de Débitos Relativos a Tributos Federais e à Dívida Ativa da União, com vencimento para 21 de julho deste ano, mas segue sem a Certidão Contribuições Previdenciárias e a Certidão do FGTS desde o ano passado. Para adquirir a CND, as três certidões precisam estar regularizadas.

“Realmente temos a Certidão Conjunta de Débitos Relativos a Tributos Federais e à Dívida Ativa da União, com validade até 21 de julho deste ano. A Certidão Contribuições Previdenciárias e a Certidão do FGTS são atualizadas mensalmente e, nesta semana, já estaremos retirando o documento”, garantiu o clube.

A Certidão Negativa de Débito comprova que o time não tem mais dívida fiscal ativa e poderia, por exemplo, pleitear linhas de crédito para investir nas categorias de base, por meio das leis de incentivo ao esporte. Atualmente, a Caixa Econômica Federal paga ao Corinthians R$ 35 milhões por ano, o maior contrato de patrocínio do país. O banco negociou com o Peixe em 2013, mas não chegou a um acordo. Hoje, sem a CND, a parceria se torna inviável.

O Santos é patrocinado por uma escola de idiomas, que estampa sua marca nos ombros da camisa, e uma empresa do ramo de tubos e conexões, exposta nas mangas do uniforme. Os acordos rendem ‘apenas’ R$ 10 milhões ao ano, e a ausência de um patrocinador forte, e fixo, há um ano e meio tem contribuído para o déficit de R$ 40,6 milhões apresentado ao Conselho Deliberativo há duas semanas. Além disso, o Santos confirmou o atraso nos direitos de imagem de jogadores como Mena e Cícero recentemente.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade