Futebol/Liga Europa - ( - Atualizado )

Sevilla vence o Benfica nos pênaltis e conquista seu terceiro título

Turim (Itália)

Após 120 minutos de bola rolando (os 90 regulamentares e mais os 30 da prorrogação) sem gols, a decisão da final da edição 2013-14 da Liga Europa foi para os pênaltis, e o Sevilla se sagrou campeão ao vencer por 4 a 2. O goleiro Beto aproveitou a condescendência da arbitragem, adiantou-se e defendeu duas cobranças (dos atacantes Cardozo e Rodrigo) e decretou a continuação da maldição imposta pelo ex-técnico húngaro Béla Guttmann.

Responsável por conduzir o Benfica ao bicampeonato europeu na década de 60, Béla Guttmann afirmou, ao deixar o clube contrariado por não receber um aumento salarial, que a equipe portuguesa ficaria 100 anos sem conquistar qualquer título continental. Para tentar se livrar da possível maldição – reforçada pela perda do título da Liga Europa para o Chelsea na última temporada, com um gol nos acréscimos -, a diretoria dos Encarnados ordenou a construção de uma estátua de Guttmann no estádio da Luz, inaugurada em fevereiro.

Este foi o terceiro título do Sevilla na história da Copa da Uefa/Liga Europa. Com a conquista desta quarta-feira, os espanhóis se igualaram a Liverpool, Inter de Milão e Juventus, até então os maiores campeões da segunda competição europeia mais importante.

AFP
Jogadores do Sevilla comemoram durante as cobranças de pênalti que garantiram o título (foto: Marco Bertorello)
O jogo – O Benfica quase abriu o placar aos 14 minutos. Gaitán cobrou falta fechada pela direita, Beto espalmou mal e a bola sobrou nos pés de Garay, que não conseguiu finalizar em cheio e facilitou o trabalho da defesa do Sevilla, que afastou o perigo para escanteio.

Perigoso nos contra-ataques, o Sevilla tramou boa jogada aos 36 minutos do primeiro tempo, quando a bola chegou aos pés de Moreno, que, na ponta direita da área, cortou para o meio e chutou colocado. Oblac, bem posicionado, defendeu sem problemas.

Os portugueses apertaram nos últimos instantes da primeira etapa. Aos 45, Maxi Pereira foi lançado na área e, apesar de não ter tocado na bola, atrapalhou a ação de Beto, que defendeu no susto. Na sequência do lance, Rodrigo entrou livre na área pela direita e finalizou forte, para boa defesa de Beto.

Aos 47, o time português reclamou de pênalti na jogada em que Gaitán ficou cara a cara com o goleiro Beto e foi desarmado antes da finalização pelo zagueiro Fazio. A repetição do lance, no entanto, mostrou que o defensor só tocou a bola com o carrinho que aplicou.

AFP
Famoso por ter perdido pênalti nas quartas de final da Copa do Mundo de 2010, entre Espanha e Paraguai, Cardozo voltou a desperdiçar penalidade importante nesta quarta-feira
Logo aos três minutos da segunda etapa, o Benfica criou outra boa chance. Maxi Pereira cruzou para Lima, que dominou livre na área. Após ajeitar a bola, o brasileiro finalizou de esquerda na saída de Beto. Pareja, em cima da linha, conseguiu afastar o perigo e impedir o gol benfiquista.

A resposta espanhola aconteceu quatro minutos mais tarde. Reyes recebeu em velocidade e saiu na frente do goleiro Oblak. Atrapalhado pelo brasileiro Luisão, que conseguiu se recuperar com um carrinho, o atacante do Sevilla finalizou para fora.

A defesa do Sevilla foi novamente providencial aos 26 minutos. Maxi Pereira se livrou do marcador, entrou na área e rolou no meio para Lima, que teve a tentativa de chute bloqueada pela zaga do time espanhol.

Beto quase passou de herói a vilão em um minuto. Aos 38, o goleiro salvou o Sevilla após forte chute de fora da área do brasileiro Lima. No lance seguinte, o goleiro saiu mal do gol em cruzamento de Rodrigo e a bola sobrou para Garay, que cabeceou por cima do gol.

O Sevilla perdeu a chance de abrir o placar aos 11 minutos do primeiro tempo da prorrogação. Rakitic deu passe em profundidade para Bacca, que entrou em velocidade livre pelo lado direito da área, mas errou o chute de três dedos e finalizou para fora.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade