Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( )

Treinador recusa méritos e vê Palmeiras resgatar trabalho de Kleina

São Paulo (SP)

Alberto Valentim conquistou sua terceira vitória no comando do Palmeiras neste domingo, mas manteve um discurso de bastante humildade. O treinador interino explicou que essa mudança de postura da equipe só foi possível por causa da determinação dos jogadores, já que não houve nenhum tipo de trabalho especial por parte da nova comissão técnica. O atual comandante, aliás, relembrou até mesmo o que foi feito por Gilson Kleina no início da temporada.

“O time resgatou aquilo que nós vínhamos apresentando antes. Ficamos um tempo sem fazer isso, mas voltamos. No Campeonato Paulista nós fizemos isso também. Eu acredito que foi um momento ruim que nós passamos, que não conseguimos fazer aquilo que vínhamos fazendo antes”, explicou Valentim, lembrando a boa fase vivida pelo Palmeiras no início da temporada.

De acordo com o interino, o trabalho feito nestas duas semanas de trabalho foi relativamente ‘fácil’, já que os jogadores demonstraram muita vontade. Alberto Valentim também quis ressaltar a conduta do elenco não só dentro do gramado, mas também nos bastidores da Academia, quando os jogadores se reúnem para acertar os detalhes internos.

Fabio Menotti/Palmeiras/Divulgação
Alberto explicou que essa mudança de postura da equipe só foi possível por causa da determinação dos jogadores
“Eu sou muito novo para enganar alguém: o mérito é dos jogadores, porque a entrega deles é algo impressionante. Fica ‘fácil’ quando está todo mundo querendo. Você vê as reuniões deles, as conversas antes e depois dos jogos, é pela equipe, pelo Palmeiras. Quando os jogadores se mobilizam e tem essa organização, dá nisso que estamos vendo”, destacou o modesto treinador.

No triunfo deste domingo, por 1 a 0, sobre o Vitória, Alberto Valentim utilizou jogadores que não vinham com sequência de jogos nesta temporada, como o zagueiro Wellington, que teve a confiança do treinador para atuar até mesmo improvisado na lateral. O atacante Diogo foi outro destaque em Salvador, demonstrando muita garra em campo para ajudar na marcação.

“Eu falo o seguinte: se tem uma coisa que não é frase feita no futebol é que o treinador vai depender do elenco todo. O jogador tem que treinar forte, tem que sair esgotado do pescoço para baixo, já que o lado psicológico não é exigido nos treinos. Todo mundo está comprando essa ideia de treinar forte”, finalizou o treinador, rasgando elogios aos seus comandados.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade