Futebol/Copa do Mundo 2014 - ( - Atualizado )

Valcke diz que a Fifa não é causa da insatisfação dos brasileiros

São Paulo (SP)

A exatamente um mês da abertura da Copa do Mundo, que acontecerá na Arena Corinthians, no jogo entre Brasil e Croácia, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, concedeu uma entrevista para o site da entidade máxima do futebol brasileiro. Um dos pontos abordados pelo dirigente foram as críticas sobre a realização do Mundial, que, segundo ele, não podem ser direcionadas à Fifa.

“A Copa do Mundo é uma maneira de acelerar uma série de investimentos em um país. É fácil criticar a Fifa, é fácil usar a Copa das Confederações ou a Copa do Mundo para organizar manifestações. Mas se o alvo é a FIFA porque ela é a causa do que está acontecendo no país, ele está errado. Se um país se candidata à Copa do Mundo, é com a ideia de se desenvolver. A ideia não é destruí-lo”, disse Valcke.

Criticado após dizer que o Brasil não é a Alemanha e que os turistas serão os maiores desafiados por causa da dificuldade de locomoção durante o Mundial, o dirigente amenizou os problemas desta vez, e preferiu exaltar as qualidades brasileiras.

“Eles (turistas) podem esperar um grande torneio. É nisso que estamos trabalhando. E eles podem esperar encontrar o Brasil, um país incrível. Um país que tem música, samba e uma série de coisas que o tornam único no mundo. Meu conselho é que os torcedores preparem sua viagem, que evitem tomar decisões de última hora”, afirmou.

AFP
Poucos dias após alertar estrangeiros sobre problemas do Brasil, Valcke diz que torcedores podem esperar um "grande torneio"
“Curta o Brasil do jeito que o Brasil é. Se, em alguma cidade, disserem que você não deve andar por certos lugares, é o que você deve fazer. Existem áreas e partes da cidade às quais você não irá. Não é só no Brasil, em todo o mundo é assim”, declarou.

Valcke ainda exaltou o interesse dos brasileiros pela Copa do Mundo e comemorou a procura “incrível” por ingressos.

“Para os torcedores, ainda existem uns poucos, porque há a última fase de vendas. Sempre dá para tentar encontrar um ingresso, mas é bem limitado. Não acho que já tenhamos tido tantas solicitações de ingressos. Para a partida de abertura em São Paulo, os responsáveis pela hospitalidade estão anunciando 14 mil convidados. O grau de interesse do mundo e do Brasil é enorme. O Brasil adora a Copa do Mundo. A maioria dos ingressos foi vendida a brasileiros, porque eles adoram futebol”, disse.

Sobre a disputa em si, o francês Jérôme Valcke adotou o tom político e expressou seu desejo de que o Brasil seja um dos finalistas e “até mesmo ganhe a Copa do Mundo”.

“Existem seleções muito boas, e vai ser muito difícil prever quem jogará a final. Existem várias outras boas equipes (além do Brasil): Alemanha, Argentina, Portugal... E também a França, que sempre pode jogar bem. Espero que ela vá melhor do que na África do Sul. Os sul-americanos são fortes, assim como os europeus. Todos são fortes”, completou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade