Futebol/Copa do Mundo 2014 - ( )

Zico critica atrasos e aponta Argentina como maior rival do Brasil

São Paulo (SP)

Ídolo da torcida do Flamengo e craque da Seleção Brasileira nos anos 80, Zico comentou a realização da Copa do Mundo no Brasil e as possibilidades da equipe comandada por Luiz Felipe Scolari, em entrevista ao jornal inglês The Guardian, nesta quinta-feira. Favorável a um Mundial “moderno” no Brasil, o Galinho criticou os atrasos nas obras.

“Não deveríamos ter deixado as coisas para o último minuto, porque os estádios de que o Brasil precisava estão saindo mais caros. As pessoas também esperavam que houvesse um desenvolvimento urbano maior. Foi uma grande oportunidade desperdiçada, e as pessoas acabaram ficando irritadas. Não vejo a mesma alegria das últimas Copas, quando as pessoas pintavam ruas e tudo mais. Mas temos que fazer este torneio especial: o Brasil tem o dever de entregar a Copa. Não sou contra protestos, mas talvez seja a hora de uma trégua”, disse.

Preocupado com a inexperiência da maior parte da Seleção em Copas do Mundo – 17 dos 23 convocados por Felipão nunca disputaram um Mundial -, Zico aposta na força coletiva e psicológica do Brasil.

“(O time) pressiona os adversários e vai na jugular desde o início, para tentar marcar um gol logo. Isso ajuda a torcida. São bons jogadores, que, como o grupo, são difíceis de bater. Os jogadores entendem a responsabilidade que é jogar uma Copa do Mundo em casa. A Seleção vem jogando bem e gostei do modo como ganhou da Espanha no ano passado (final da Copa das Confederações)”, afirmou.

AFP
"Sempre disse que para treinar a Seleção, deveria treinar algum clube no Brasil antes, e não estou feliz com a situação por lá agora"
O ex-camisa 10 acredita que a simpatia do torcedor com a atual Seleção não é igual à de 1982, quando a equipe da qual Zico fazia parte foi eliminada pela Itália na segunda fase da Copa.

“Muitas pessoas falam da equipe de 1982, e as pessoas no Brasil gostam tanto dela porque tinha jogadores que elas viam com regularidade, nos jogos e nas ruas. Agora é pior, porque nem as eliminatórias o Brasil jogou. Há uma distância, que acaba impedindo que se crie esta ligação”, afirmou.

Na opinião do Galinho, a Argentina, maior rival do Brasil tradicionalmente, é a seleção mais habilitada a impedir o hexacampeonato da Seleção.

“A Argentina encontrou um jeito de tirar o melhor do Messi, e eles têm um ataque absurdo. O grupo não é difícil e eles vão viajar menos que os outros times. Os times sul-americanos podem surpreender. Acho que o Chile pode se classificar à frente da Holanda, e o Uruguai foi um adversário difícil para o Brasil na Copa das Confederações. Itália, Inglaterra e Uruguai são times fortes, tradicionais, e vão tirar pontos uns dos outros”, disse.

Na comparação direta entre Neymar e Messi, companheiros no Barcelona, Zico disse acreditar que o segundo é mais fundamental para a sua seleção.

“O Neymar é diferente do Messi. O time da Argentina é construído em torno do Messi, e o Brasil não é tanto do Neymar. Ele (Neymar) vai ser fundamental para o Brasil ir longe. Muita gente fala da polêmica da transferência, que o teria afetado, mas vejo somente um caso em que ele foi para um clube diferente, onde o técnico insistia em colocá-lo fora de posição”, completou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade