Futebol Internacional/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Com reflexo para superar escorregão, Júlio César evita gol “injusto”

William Correia Goiânia (GO)

Um escorregão quando a Seleção Brasileira já vencia o Panamá com tranquilidade quase aumentou a pressão sobre um dos titulares mais contestados. Mas Júlio César teve reflexo para defender a cabeça do zagueiro Nurse logo após ter se desequilibrado e, assim, sabe se protegeu das críticas a ele e à equipe.

“O time não merecia tomar um gol hoje pelo futebol que mostramos e pela seriedade com a qual encaramos esse amistoso. Se eu tomasse aquele golzinho ali, ia ser chato para mim, para a Seleção e para todos”, disse o experiente goleiro, respirando aliviado e usando a conclusão do lance como trunfo.

“Escorreguei. No segundo tempo, acho que molharam muito ali e acabou que uma bola tecnicamente fácil de ser defendida se tornou difícil. Mas fiquei feliz pela reação que tive no momento”, sorriu, animado também por ter chance de adquirir ritmo após pouco entrar em campo pela liga norte-americana.

“Como todos sabem, joguei muito pouco nesta temporada e estou precisando jogar. Goleiro é ritmo de jogo, reflexo, tempo de bola, uma série de coisas”, comemorou. “Estou bem, 100%, me preparei muito bem no Toronto. Estou pronto para encarar esse desafio”, vibrou, apontando a goleada em Goiânia como excelente para todos.

“Foi muito válido esse amistoso. Temos muitos jogadores em final de temporada, não estamos 100% fisicamente. Foi contra um adversário tradicionalmente inferior, mas a Seleção encarou esse amistoso com muita seriedade e isso prova a maturidade desse grupo”, opinou Júlio César.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Júlio César entre Jefferson (e) e Victor: o goleiro do Toronto não foi vazado no amistoso em Goiânia

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade