Futebol/Copa do Mundo - ( - Atualizado )

Com “tudo sob controle”, Valcke diz que atrasos das obras são normais

Yan Resende, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

A entrevista coletiva da Fifa nesta quinta-feira, em São Paulo, foi marcada por um discurso que esbanjava otimismo. Mesmo com os problemas de mobilidade vividos pelos próprios membros da entidade que chegaram à cidade, por causa da greve dos metroviários, o secretário-geral Jérôme Valcke não mostrou qualquer tipo de preocupação, alegando que está tudo sob o controle.

“Tem muita coisa para ser feita. Eu diria que isso é normal, é normal ter esse atraso, ter que instalar alguns assentos agora, mas não há risco para as primeiras partidas do torneio. É verdade que a primeira semana é muito desafiadora, porque algumas sedes que ainda não foram testadas vão ser usadas com sua capacidade máxima. Mas estamos com tudo sob controle”, disse o secretário-geral da Fifa.

Apesar de ter adotado um discurso otimista, Valcke deixou evidente a sua preocupação em alguns momentos, como, por exemplo, ao falar da Arena Corinthians. O palco da abertura da Copa do Mundo não foi testado com sua capacidade máxima antes do duelo entre Brasil e Croácia, na próxima quinta-feira, e ainda recebe alguns retoques para que esteja em condições de receber os mais de 60 mil torcedores para a primeira partida da competição.

AFP
Jérôme Valcke não mostrou qualquer tipo de preocupação, alegando que está tudo sob o controle
“É verdade que se você for a Itaquera haverá muitos trabalhadores ainda, tem coisa para ser feita, mas a impressão geral é que nós fizemos muito, tanto o COL, o Governo e a Fifa. Fizemos tudo o que era necessário para a Copa do Mundo começar como o planejada no dia 12 de junho, para que as seleções que estão chegando recebam o melhor tratamento, para que todos tenham as melhores condições para jogar”, garantiu Jérôme Valcke.

Para evidenciar sua preocupação, apesar do discurso em que esbanjava confiança, o secretário-geral evitou também dizer que a Fifa estava satisfeita com o que foi feito no Brasil. De acordo com Valcke, todos os países do mundo tem os seus problemas, e estes devem ser superados. Ainda assim, a entidade máxima do futebol poderá avaliar a realização do Mundial apenas no dia 13 de julho.

“Estaremos satisfeitos apenas na final, no dia 13 de julho, quando poderemos manifestar nossa satisfação. Com uma semana para a Copa, acho que vamos realizar um belo evento. Cada país é diferente, nossos amigos russos, com certeza, estão vendo tudo o que esta acontecendo no Brasil, e tenho certeza que teremos alguns problemas na Rússia”, finalizou o representante da Fifa, já prevendo mais dificuldades para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade