Futebol/Copa do Mundo - ( - Atualizado )

Ex-craques da seleção confiam em Neymar e apostam no Hexa

Do correspondente Tiago Salazar Santos (SP)

Luis Felipe Scolari parece ter conseguido realmente o feito inédito de convocar uma seleção brasileira para disputar uma Copa do Mundo sem sofrer uma forte cobrança. Os 23 jogadores que buscarão o Hexacampeonato em casa agradam a quase todos, inclusive a craques que já brilharam com a mística camisa amarela. E para alguns desses ídolos eternos do nosso futebol, o Brasil é mesmo o grande favorito, como tem afirmado incansavelmente o técnico Felipão.

“Pelo fato de jogar no Brasil, a seleção é considerada favorita. Existem seleções perigosas, como Alemanha, Argentina, mas o trabalho vem sendo bem feito, contamos com o extraordinário Neymar”, disse Pepe, campeão com a seleção em 1958 e 1962: “O Brasil tem tudo para ganhar novamente e eu tenho a impressão que vai ganhar”, concordou Zito, outro bicampeão que ainda chegou a jogar o Mundial de 1966.

Neymar

Sem sombra de dúvidas, Neymar é a grande esperança brasileira para a Copa do Mundo. A cobrança em cima do garoto de 22 anos é grande, todos apostam nele, mas, para os craques que já penduraram a chuteira, isso não será um problema.

“Não acho que ele carrega uma sobrecarga, ele carrega o talento que ele tem e o time do Brasil inteiro”, falou Zito, um dos responsáveis por Neymar ser o que é hoje. “Eu me sinto maravilhosamente bem porque eu peguei o Neymar com 9 anos na casa dele, levei para o presidente do Santos e falei ‘olha, nós precisamos fazer um contrato com esse menino’. E deu no que deu”, contou.

“O Neymar já se acostumou a isso, apesar de ser jovem, ele já se acostumou a ser o cara no Santos, na seleção, no Barcelona. Ele não sente a pressão, ele joga como se estivesse no juvenil do Santos”, afirmou Pepe.

Para Mengálvio, autor de um dos gols do Brasil na final de 62, no Chile, outros jogadores podem acabar decidindo para a seleção em virtude as atenções estarem em Neymar: “Não vai pesar porque a gente, torcedor, não pode ficar resumindo em um só atleta. A gente tem que reconhecer que o Neymar é o cara que faz a diferença, mas eu vejo grandes jogadores alí, que em uma hora que o Neymar esteja muito marcado, eles podem decidir”, disse.

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press
Pepe não poupou elogios ao ex-santista e camias 10 da Seleção Brasileira, Neymar.

Coadjuvantes de peso

Além de Neymar, a seleção brasileira conta com outros grandes jogadores, muitos de destaque nos grandes times europeus. E para Clodoaldo, campeão com o Brasil em 1970 com a maior seleção de todos os tempos para muitas pessoas, Willian pode ser um jogador importante nesta seleção.

“Eu, se tivesse que ter uma opção de mudança, seria com o Willian, não com o Ramires, e não na posição do Paulinho. Se durante o transcorrer do Mundial, o Willian tiver oportunidade, alguém vai dançar da equipe”, avaliou, o ex-camisa 5. “Se o Fred não estiver bem fisicamente, ele pode adiantar o Hulk e, com a entrada do Willian, o Brasil ganha mais velocidade e mais força”, completou.

Clodoaldo, apesar de craque, em 1970 subia muito pouco ao ataque, já que o Brasil contava com Rivellino, Tostão, Gerson, Pelé e Jairzinho na frente. Por isso, Corró, como é conhecido, conhece bem a posição ocupada por Luiz Gustavo no time de Felipão. E para Clodoaldo, Luiz Gustavo é o homem certo para desempenhar o papel de ‘cão de guarda’

“Se tratando de Luis Felipe Scolari ele é o melhor, o Scolari não abre mão de um jogador como o Luiz Gustavo. Ele é aquilo que eu era na seleção brasileira. Ele não abre mão de ficar alí na retaguarda, o homem que dá segurança à defesa do Brasil, tem feito grandes apresentações, a defesa tem se sentido muito à vontade com a presença do Luiz Gustavo. É o homem da cobertura, é o homem que mata jogada, exatamente o que eu fazia na seleção, é um grande jogador”.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade