Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Flamengo tenta buscar camisa 10 em países vizinhos

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

Sem muito dinheiro para investir na contratação de reforços, a diretoria do Flamengo tem como prioridade a chegada de um meia de ligação capaz de resolver de uma vez por todas os problemas de falta de criatividade do meio-de-campo. O técnico Ney Franco considerou esse reforço como o principal para que o desempenho do time, penúltimo colocado no Campeonato Brasileiro, melhore após o recesso causado pela Copa do Mundo. Diante deste cenário o diretor de futebol Felipe Ximenes está procurando esse nome em países vizinhos, como Argentina e Uruguai, por exemplo.

O meia Óscar Romero, que defende o Cerro Porteño, do Paraguai, foi oferecido. O jogador tem apenas 21 anos, é tratado como uma grande promessa do futebol do Paraguai e irmão gêmeo de Ángel Romero, contratado recentemente pelo Corinthians. O jogador, porém, não chegou a encher os olhos de Felipe Ximenes em um primeiro momento, pois existe um certo receio em se fazer apostas em um momento que o clube não conta com muito direito em caixa para investir.

Outra possibilidade é o meia Fernandinho, que recentemente se desligou do Atlético-MG e retornou para o futebol árabe. Este é visto com excelentes olhos pela comissão técnica e pelo próprio Ximenes, mas a transação é considerada complicada.

"A diretoria do Flamengo tem consciência da necessidade de reforçar o grupo e estamos trabalhando neste sentido. Porém, não podemos fazer nada de maneira afobada, pois o mercado não oferece muitas opções e precisamos mapear possibilidades e atacar com eficiência. Não se pode contratar por contratar, apenas para dar uma resposta e depois criar um problema maior ainda. Temos uma responsabilidade muito grande em tornar o elenco mais qualificado e estou trabalhando integralmente nisso", disse Ximenes.

Divulgação/Flamengo
Felipe Ximenes tem a missão de procurar um novo armador para o Fla (Foto: Gilvan de Souza)

Atualmente o Flamengo conta em seu elenco com nomes que não estão resolvendo o problema. Elano tem vivido mais no departamento médico do que à disposição da comissão técnica. Gabriel e o jovem Mattheus ainda não conseguiram se estabeceler como boas opções e Everton não é tratado como um camisa 10 clássico. Sobrou Lucas Mugni, argentino de qualidade técnica e visão de jogo, mas de impressionante irregularidade.

Além de possíveis reforços, o Flamengo terá ainda o retorno do meia Thomás, que estava emprestado ao Siena, da Itália. O jogador, porém, está longe de ser visto como solução, podendo, inclusive, ser emprestado novamente.

Outro setor considerado carente e que está sendo observado pela diretoria é a lateral esquerda. Atualmente o Flamengo conta para o setor com André Santos e João Paulo, mas nenhum dos dois está caindo nas graças da torcida e estão sendo hostilizados, principalmente em partidas no Rio de Janeiro. O primeiro, inclusive, tem sondagens de clubes de fora do país e pode ser negociado. O setor é considerado tão dramático que Ney Franco chegou a buscar algumas improvisações, como o zagueiro Samir, oq eu motivou diversas críticas por parte de jornalistas e até mesmo por parte de Zico, grande ídolo da história do Flamengo. Essa posição também vem sendo mapeada pelos dirigentes e as poucas opções podem forçar uma contratação também em países vizinhos.

O objetivo da diretoria é ter o elenco fechado até o dia 16 de junho, quando os jogadores se reapresentam para iniciarem um período de treinos para a sequência do Campeonato Brasileiro.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade