Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Fluminense tenta usar jogadores como moeda de troca

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

Se nenhuma negociação for feita até o dia 23 de abril, quando o elenco se reapresenta após duas semanas de férias, o técnico do Fluminense, Cristóvão Borges, vai ser obrigado a trabalhar com um conjunto de 37 jogadores. O número é considerado muito grande pela diretoria, que ainda tenta dar uma reduzida na folha salarial. Como algumas posições ainda são consideradas carentes e necessitam de reforços, alguns jogadores fora dos planos podem acabar virando moeda de troca para o Tricolor.

Sem dinheiro para investir, o Fluminense gostaria de contar com mais dois jogadores, um lateral direito e um lateral esquerdo. Isso porque Wellington Silva foi emprestado até o fim do ano ao Internacional, enquanto que o jovem Ronan, revelado nas categorias de base do clube, foi cedido por uma temporada ao Legia Varsóvia, da Polônia. Atualmente o grupo conta apenas comos titulares Bruno e Carlinhos, além do reserva Ailton, oriundo das categorias de base e que joga apenas pelo setor esquerdo. Portanto, caso Bruno se machuque ou seje suspenso, por exemplo, Cristóvão Borges terá que apelar para alguma improvisação, como por exemplo, o volante Jean, acostumado ao setor.

Justamente por ter jogadores versáteis, como Jean, que a diretoria assegura que não procura reforços, mas mesmo assim trabalha para trazer laterais como moeda de troca. Recentemente o Vitória procurou o Fluminense interessado no zagueiro Leandro Euzébio e no atacante argentino Martinuccio. O primeiro está fora dos planos e o seu salário é um empecilho para negociações, enquanto que o segundo retornou de empréstimo do Cruzeiro e sua saída também faria um bem para a folha salarial do Fluminense. O Tricolor carioca estuda alguma negociação que possa envolver o lateral direito Ayrton, hoje no clube baiano e que conta com a simpatia de Cristóvão. A transação porém é considerada complicada, ainda mais porque o lateral tem os direitos federativos ligados ao Palmeiras, que não tem um bom relacionamento com os cariocas, inclusive por conta da negociação que levou Martinuccio para as Laranjeiras.

Nelson Perez/Fluminense FC
Cristóvão Borges ainda quer reforçar a lateral do Fluminense

Com o Vitória ainda encontrando dificuldades nesta situação, o Fluminense foi procurado pelo Coritiba, que tomou a frente nas negociações com Martinuccio e pode se tornar realmente o destino do atacante.

Outros jogadores podem ser envolvidos em negociações. O atacante Marcos Júnior também interessa ao Vitória, enquanto que Samuel, outro atacante revelado nas categorias de base das Laranjeiras, está nos planos do Goiás. Samuel retornará de empréstimo dos Estados Unidos e não deverá ser aproveitado por Cristóvão Borges, o que pode facilitar a negociação.

O volante Fábio Braga, filho do técnico Abel Braga, também não está nos planos da comissão técnica, porém ainda não recebeu nenhuma proposta concreta. O Tricolor recebeu apenas sondagens de duas equipes que disputam a Série B do Campeonato Brasileiro, mas não houve avanço. O clube ainda veria com bons olhos uma negociação envolvendo o volante colombiano Valencia, que tem sido figura constante no departamento médico, fato que o levou a ser cortado pela Colômbia e não vai disputar a Copa do Mundo. O objetivo dos dirigentes é se desfazer o mais rapidamente possível dos atletas que não fazem parte dos planos de Cristóvão Borges, ganhando assim fôlego financeiro.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade