Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Fora da Copa, Ganso chega a 100 jogos sob questionamentos

Ana Paula Canhedo, especial para a GEnet São Paulo (SP)

Camisa 10, Paulo Henrique Ganso está prestes a completar 100 jogos pelo São Paulo, feito que ocorrerá na próxima sexta-feira, na partida amistosa com o Orlando City, às 21 horas (de Brasília), na cidade do adversários, nos Estados Unidos. No Tricolor desde 2012, o Maestro – como é chamado até no site oficial do clube – coleciona boas e más atuações, além da frustação pela ausência na lista final de Luiz Felipe Scolari para a disputa da Copa do Mundo no Brasil. A irregularidade do meio-campista, inclusive, lhe garante o posto de incógnita, já que o torcedor são-paulino nunca sabe se ele será decisivo ou se sumirá em campo.

Ao lado do zagueiro Antônio Carlos, PH é o único do elenco que já disputou 28 jogos nesta temporada. “É um orgulho muito grande vestir essa camisa. Felicidade imensa, espero retribuir dentro de campo o carinho”, disse ao site oficial do clube.

Felicidade esta que esteve ausente no fim de sua passagem pelo Santos, clube no qual viveu os melhores momentos de sua carreira. Promovido à equipe principal da Vila Belmiro em janeiro de 2008, foi tricampeão paulista, venceu a Copa do Brasil e a Libertadores. Entre as temporadas de 2010 e 2011, era apontado – ao lado do atacante Neymar, com quem fazia a dupla sensação do Brasil – como possível destaque da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2014, já que ambos ficaram fora do Mundial de 2010. Seguiram caminhos muito diferentes.

Atual destaque da Seleção, Neymar viu seu companheiro deixar a Vila Belmiro e rumar ao Morumbi em setembro de 2012, após uma conturbada negociação e uma desgastada relação com a diretoria alvinegra. Demorou a engrenar no Tricolor. Sob o comando de Ney Franco não repetiu o sucesso de 2010 e, após a saída do treinador, ouviu do mesmo que o capitão da equipe, Rogério Ceni, o destetava.

Divulgação/São Paulo FC
Fora da Copa do Mundo, Ganso luta para manter-se em alta com a camisa do São Paulo, mas ainda sofre com atuações oscilantes

Em 2013, reencontrou Muricy Ramalho, com quem trabalhou no Santos, que retornava ao comando técnico do São Paulo, após uma vitoriosa passagem encerrada em 2009. O treinador segue na equipe e, atualmente, Ganso conquistou a titularidade. Porém, com nove rodadas do Campeonato Brasileiro já disputadas nesta temporada, o meia já foi para o banco em algumas oportunidades em razão da irregularidade técnica.

A principal reclamação de Muricy é a falta de sequência de PH Ganso, que engata boas atuações, mas depois volta a cair de rendimento. Outro detalhe que chama a atenção, é a mudança no estilo de jogo de Paulo Henrique. Em 99 jogos pelo São Paulo, já balançou as redes oito vezes. Em 165 partidas disputadas pelo Peixe, pôde comemorar um gol em 38 oportunidades.

Apontado em 2010 como forte candidato a assumir a camisa 10 da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, o meia assiste Oscar, do Chelsea, ocupar a posição que ante lhe parecia antes tão próxima e trabalha firme para manter-se como destaque entre os 11 iniciais do São Paulo.

Mesmo ainda dividindo opiniões, o Ganso tem motivos para comemorar: além de atuar com frequência, parece, finalmente, ter encontrado uma maneira de barrar as lesões, que tantas vezes já o incomodaram. “O fortalecimento muscular antes dos treinos e as atividades para aprimorar a condição física foram importantes. Quero voltar bem na retomada do Brasileirão”, projeta.

Divulgação/São Paulo FC
Apresentado no Tricolor com a camisa 8, Ganso conquistou a titularidade e hoje é o camisa 10 da equipe