Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Freguês, Chile não venceu nem com Garrincha expulso e goleiro-ator

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

O Brasil enfrenta o Chile, neste sábado, carregando um amplo domínio, que foi garantido mesmo em jogos com polêmicas. Na história dos confrontos entre as duas seleções, houve até a expulsão de Garrincha, além da polêmica envolvendo o ex-goleiro Roberto Rojas no Maracanã.

Segundo informações da Fifa, as duas equipes se enfrentaram 68 vezes, com 48 triunfos brasileiros, 13 empates e sete resultados positivos dos chilenos. Em meio a este histórico, o primeiro jogo em Copas do Mundo foi disputado no dia 13 de junho de 1962, pela semifinal, em Santiago.

O Brasil venceu os donos da casa por 4 a 2, com dois gols de Garrincha, que se envolveu na principal polêmica da partida, pois foi expulso nos minutos finais. O jornal A Gazeta Esportiva relatou na época que o adversário apelou para a violência.

Reprodução/A Gazeta Esportiva
Garrincha foi expulso contra o Chile, mas acabou liberado para disputar a final da Copa de 1962
Assim, a reportagem informou que o árbitro peruano Arturo Yamasaki Maldonado “permitiu que Garrincha fosse caçado durante todo o tempo em que esteve em campo e, no final da partida, acabou por expulsá-lo num lance em que nosso ponteiro revidou ao ataque” de um adversário.

Mesmo expulso, Garrincha foi liberado pela Fifa para disputar a final da Copa. Na época, os próprios torcedores chilenos cobraram a presença do brasileiro na decisão contra a Tchecoslováquia. De acordo com A Gazeta Esportiva, um fã local gritou em frente ao Palácio do Governo chileno: “Se o Garrincha for suspenso, tratem de baixar o preço dos ingressos, senão ninguém vai lá...”

No dia seguinte à semifinal, a Comissão Executiva da Fifa optou apenas por advertir o brasileiro, em decisão controversa na época, pois uma das testemunhas da agressão, o assistente uruguaio Esteban Marino, não apareceu para dar sua versão, gerando até suspeita de que seria uma manobra da Confederação Brasileira de Desportos (CBD).

Reprodução/A Gazeta Esportiva
Rojas foi banido do futebol depois da polêmica em 1989, no estádio do Maracanã
Depois daquela partida, o Brasil ainda enfrentou o Chile mais duas vezes em Copas, mas um jogo que realmente gerou polêmica foi válido pelas Eliminatórias para o Mundial de 1990. No dia 3 de setembro de 1989, a seleção verde e amarela precisava apenas de um empate no Maracanã e vencia por 1 a 0 até os 24 minutos do segundo tempo, quando o goleiro chileno Roberto Rojas caiu em sua área, em meio a muita fumaça.

Com o um ferimento no rosto, o jogador foi retirado de campo e acompanhado por seus colegas de time, que não voltaram para a partida. O Chile queria uma punição ao Brasil, que, por sua vez, reclamava pelo adversário ter abandonado o gramado. No mesmo dia, a torcedora Rosinery Mello foi identificada como responsável por ter lançado um fogo de artifício ao gramado, mas a suspeita era grande em relação ao comportamento de Rojas.

Os dias que se seguiram foram de tensão, com acusações de brasileiros e chilenos. Uma semana depois da partida, a Fifa se reuniu e proclamou a equipe verde e amarela como vencedora, pelo abandono de campo do adversário. Posteriormente, a descoberta de que Rojas havia feito um corte no rosto propositalmente, com uma lâmina escondida na luva, usando o fogo de artifício apenas o pretexto, levou a Fifa a banir o goleiro do futebol, sendo que o perdão só foi dado em 2001.

Apesar da polêmica nas Eliminatórias, os dois jogos seguintes em Copas não tiveram grandes problemas para o Brasil. Em 1998, o time dirigido por Zagallo duelou com o Chile nas oitavas de final e triunfou por 4 a 1. Nos dias que antecederam a partida, os adversários sul-americanos tiveram discurso de confiança, principalmente por conta da boa fase da dupla de ataque Marcelo Salas e Iván Zamorano, mas os dois gols de Ronaldo e os dois de César Sampaio garantiram o resultado positivo.

Reprodução/A Gazeta Esportiva
César Sampaio marcou dois gols e foi o destaque nas oitavas de final da Copa de 1998
O volante deixou o gramado no Parque dos Príncipes, em Paris, como o grande destaque da partida, motivando Zagallo a dizer que “César teve uma atuação perfeita”. Assim, o meio-campista foi descrito por A Gazeta Esportiva como “o batalhador que, de tanto suar, conquistou seu momento de glória.”

Superado o Chile, o elenco ganhou folga no dia seguinte, e quatro jogadores, Denílson, Júnior Baiano, Zé Carlos e Zé Roberto, até foram a uma feijoada oferecida aos brasileiros por um grupo de portugueses que vivia na cidade.

Já o último encontro em Copas do Mundo aconteceu na edição passada do torneio, também nas oitavas de final. Dirigida pelo argentino Marcelo Bielsa, a Roja tinha a pretensão de atacar para surpreender o adversário.

Entretanto, mais uma vez, o Brasil confirmou sua superioridade e triunfou por 3 a 0. Jogadores como Alexis Sanchez, Arturo Vidal, Valdivia e Bravo estavam naquela equipe e sonham com um desfecho diferente neste sábado, às 13 horas (de Brasília), em Belo Horizonte.