Futebol/Copa 2014 - ( )

Golaço de holandês gera termo semelhante ao do Brasil: "persieing"

Tossiro Neto* Rio de Janeiro (RJ)

O golaço que Robin van Persie fez na vitória por 5 a 1 sobre a Espanha, na estreia da Copa do Mundo, desencadeou uma grande febre nas redes sociais. Desde então, centenas de pessoas têm publicado fotografias ou montagens em que imitam o mergulho dado pelo atacante para cabecear a bola e encobrir Iker Casillas. Chamado de "peixinho" no futebol brasileiro, o lance ganhou outro nome (até parecido) para os holandeses: "persieing".

Do dia 13 para cá, já são mais de mil publicações no Instagram e no Twitter com referências ao termo. Há imagens da estátua do Cristo Redentor, de bebês, cachorros, tartarugas e outras incontáveis engraçadas formas encontradas pelos fãs de exaltar a jogada. Na mais surpreendente delas, divulgada por um portal de notícias holandês, o avô do atacante (um senhor de 93 anos de idade, chamado Wim Ras) aparece com o corpo esticado no tapete de casa, com os braços paralelos ao chão.

Inventor do "peixinho" aprova Van Persie e lamenta não vê-lo em SP

Suspenso da partida desta segunda-feira, contra o Chile, Van Persie não poderá repetir em São Paulo o que fez em Salvador. Aos 43 minutos do primeiro tempo daquela partida, ele disparou para o ataque ao perceber que Daley Blind se preparava para fazer um longo lançamento pelo lado esquerdo do meio-campo. Já na entrada da área, o camisa 9 se atirou no ar e meteu a testa na bola para encobrir o goleiro espanhol, que deu dois passos para trás, mas não pôde impedir que ela tocasse a rede.

A imprensa holandesa se rendeu ao gol, sem ter exatamente um termo pré-estabelecido para descrevê-lo. Segundo os jornalistas de lá que acompanhavam o treinamento da seleção neste domingo, na capital paulista, a única expressão utilizada por eles que foge aos conceitos básicos de cabeceio e chute é "drop cake" (quando um jogador recebe um lançamento longo e espera a bola quicar no chão antes de chutar de primeira).

Reprodução/Twitter
Até o avô de Robin Van Persie, um senhor de 93 anos de idade, imitou o lance do gol do atacante holandês
O ex-jogador brasileiro Peixinho, que, em 1960, emprestou seu apelido ao gol que marcou na inauguração do Morumbi, mergulhando de cabeça em direção à bola, gostou de saber que se criou uma expressão parecida na Holanda. "Persieing é quase peixinho, combinou. Dou meu aval", riu o ex-são-paulino Arnaldo Poffo Garcia, de 73 anos, em conversa com a Gazeta Esportiva, a dois dias da partida entre Holanda e Chile (nesta segunda-feira, em São Paulo). Partida da qual Van Persie não poderá participar por já ter levado dois cartões amarelos no Mundial e estar suspenso.

Apesar da febre nas redes sociais e do aval do inventor do "gol de peixinho", os jornalistas holandeses duvidam que "persieing" se torne uma expressão padrão para os próximos gols desse tipo. De qualquer forma, o gol marcado por ele dificilmente será esquecido. Ao menos na lista dos mais bonitos da competição.

"Nunca fiz gol de peixinho de cobertura. Na verdade, nunca vi um gol de peixinho de cobertura, foi a primeira vez. É um lance muito difícil. Quem foi jogador sabe disso, vê que ele acompanhou a bola muito bem e cabeceou melhor ainda", admira-se Peixinho, lamentando não poder ver o camisa 9 da Holanda em ação na capital paulista, onde, em uma época sem redes sociais nem internet, teve registrado o primeiro "persieing" da história.

* Colaboraram Luiz Ricardo Fini e William Correia, de São Paulo