Futebol/Copa do Mundo - ( )

Hulk elogia meia rival e relembra emoções distintas diante do México

Teresópolis (RJ)

Ainda em dúvida para a partida segunda rodada da Copa do Mundo diante do México, o atacante Hulk pregou respeito ao adversário, atual vice-líder do grupo A, atrás apenas da Seleção Brasileira. O duelo está marcado para terça-feira, às 16h (de Brasília), em Fortaleza.

“O México tem uma grande seleção, vimos o último jogo deles e estamos nos preparando para poder enfrenta-los. É difícil falar como nós estamos nos preparando para eles porque não podemos entregar nosso jogo”, declarou o paraibano, que não quis adiantar detalhes da preparação brasileira para o duelo.

Perguntado sobre qual atleta mexicano lhe chama maior atenção, Hulk foi político, mas não deixou de eleger o seu favorito: O meia Giovani dos Santos, revelado no Barcelona, que hoje defende o Villarreal, da Espanha.

“O que chama atenção é o coletivo do México, que é muito forte. Um jogador que sempre admirei é o Giovani dos Santos. Tem grande técnica, se movimenta muito bem ali na frente e temos que nos preocupar. Assim como todo o time”, comentou.

Gaspar Nóbrega/VIPCOMM
Com larga história em duelos contra o México, Hulk, com dores na coxa, não está garantido para o duelo

O duelo contra os mexicanos ainda traz emoções distintas para o camisa 7 da Seleção Brasileira. “A final que perdemos foi um pouco frustrante, é um título que não temos ainda. Eu estava lá e para mim foi muito triste”, disse Hulk, relembrando a final olímpica de 2012, vencida pelo México sobre os brasileiros. Na ocasião, o paraibano estava presente e descontou para o Brasil nos acréscimos, mas o jogo terminou em 2 a 1 o time da América do Norte.

Em contrapartida, uma vitória sobre o mesmo adversário na segunda rodada na Arena Castelão da Copa das Confederações de 2013 teve papel fundamental na conquista do título – curiosamente, o mesmo local do duelo desta terça, válido pela segunda rodada da Copa do Mundo.

“O Brasil quando joga no Nordeste é sempre festa. Acho que tudo começou no Nordeste, no jogo da Copa das Confederações a respeito do hino, quando eles foram até o final”, destacou. Motivada, a Seleção Brasileira venceu por 2 a 0 e manteve o mesmo ritmo até o fim da competição.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade