Futebol/Copa do Mundo - ( - Atualizado )

Inofensivo, Uruguai cai em Maracanaço de artilheiro colombiano

Tossiro Neto, enviado especial Rio de Janeiro (RJ)

Sem Luis Suárez, suspenso de nove jogos pela mordida no italiano Giorgio Chiellini, o Uruguai foi um adversário dócil para a Colômbia, no fim da tarde deste sábado, no Maracanã. Perdeu por 2 a 0, com dois belos gols de James Rodríguez (agora artilheiro da Copa do Mundo com cinco), e se tornou a quarta das oito seleções campeãs a ser eliminada de forma precoce do torneio, juntando-se a Espanha, Itália e Inglaterra. Já os colombianos avançam para enfrentar o Brasil, nas quartas de final.

De volta ao palco em que ganharam o título de 1950 (seu segundo e último até aqui), sobre o anfitrião Brasil, os uruguaios não repetiram o feito exitoso de seis décadas atrás, historicamente conhecido como Maracanaço. Pelo contrário: foram surpreendidos por uma seleção que passa das oitavas de final pela primeira vez na competição. E que tentará mais um passo diante justamente dos anfitriões, os quais, mais cedo, passaram nos pênaltis pelo Chile.

O novo duelo sul-americano ocorrerá em Fortaleza, às 17 horas (de Brasília) de sexta-feira, quando o técnico José Pekerman buscará pôr em prática de novo o que se viu neste sábado. Como ele havia prometido na véspera, a Colômbia foi um time maduro, que impôs seu estilo de jogo e abriu o placar, o que lhe possibilitou deter a bola em seu campo de defesa por bastante tempo, com direito a gritos de "olé", ainda na primeira etapa.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Uruguai e Colômbia prometiam um duelo sul-americano de muito equilíbrio no Maracanã...
Até lá, porém, precisou não se acovardou diante das entradas duras nos primeiros lances, a maioria delas praticada por Álvaro Pereira. O lateral esquerdo uruguaio definiu o meia Juan Cuadrado como seu alvo e lhe deu um tranco pelas costas com um minuto de bola rolando. Na jogada seguinte, acertou a panturrilha direita do colombiano, e o árbitro assinalou falta sem cartão amarelo.

A escolha de Álvaro Pereira não era em vão. Cuadrado seria o jogador mais perigoso da Colômbia até o intervalo. E, pela marcação agressiva que recebia, foi orientado por Pekerman, depois dos 20 minutos, para jogar mais pelo lado oposto do campo. Antes disso, conseguiu passar pelo marcador mais uma vez com facilidade antes de cruzar à meia altura e ver a defesa rival afastar da área.

Enquanto tinha ajuda dos zagueiros, o goleiro uruguaio Fernando Muslera se saía bem. Mas bateu um arremate de longa distância de Zuniga para que ele soltasse a bola dentro da área e fosse obrigado a fazer a defesa em dois tempos. Um rebote não aproveitado, mas que passou confiança aos colombianos para arriscar em direção à meta adversária, qualquer que fosse a distância.

Foi o que fez James Rodríguez aos 27 minutos. Após receber lançamento próximo da meia-lua, ele ajeitou a bola no peito, de costas para o gol, e bateu de primeira, de perna esquerda. A bola passou pela mão direita de Muslera e tocou o travessão antes de se concluir um dos gols mais bonitos do Mundial. O quinto gol do camisa 10 colombiano em quatro partidas disputadas.

O Uruguai tentou responder três minutos depois, em um cruzamento de Edinson Cavani que foi afastado pelos zagueiros. Até então, a única finalização que havia merecido atenção foi um chute de longa distância de Diego Forlán, longe das traves de David Ospina. Desfalcados de Suárez, os bicampeões mundiais estavam sem apetite e só mostravam raiva para polêmicas. Como a que protagonizou Forlán, aos 37, depois de uma dividida com Mario Yepes dentro da área. Ele revidou o tranco, e os dois acabaram repreendidos.

Fernando Dantas/Gazeta Press
...mas James Rodríguez, camisa 10 colombiano, fez a diferença e desequilibrou para sua seleção
Na jogada seguinte à confusão, após cobrança de escanteio, Cavani tentou desviar de cabeça um chute cruzado de Álvaro González, da entrada da área, mas Ospina fez a defesa e contou com ajuda ainda de marcação de impedimento. O goleiro também foi ajudado pelos próprios uruguaios, que o deixavam prender a bola nos pés para ganhar tempo. Após muita cera, Cavani o apertou e cobrou Forlán por não tê-lo feito.

A maior posse de bola na primeira etapa (63% contra 37%) seria igualmente premiada no retorno do intervalo. Aos quatro minutos, a Colômbia pôs o Uruguai na roda, com uma bela troca de passes iniciada por James Rodríguez, na meia direita. Ele tocou na esquerda e correu para o meio da área, onde receberia novamente – em cabeceio do talentoso e tão importante quanto Cuadrado – para chutar de primeira e ampliar a vantagem no Maracanã.

Ferido, o técnico Óscar Tábarez tentou encontrar antídotos no banco de reservas e fez logo duas alterações: Christian Stuani entrou no lugar de Forlan, e Gastón Ramírez substituiu Álvaro Pereira. O Uruguai, contudo, não deu mais sinais vitais dentro de campo, morrendo na praiana Rio de Janeiro, onde já fez festa em um passado remoto.