Futebol/Copa do Mundo - ( - Atualizado )

Jogos e vídeos do Chile levam Fred a prever dificuldades em BH

Tossiro Neto, enviado especial Rio de Janeiro (RJ)

A comissão técnica da Seleção Brasileira já mostrou aos jogadores vídeos do Chile, adversário de sábado, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, em Belo Horizonte. Das imagens, o atacante Fred tirou a conclusão de que ele e seus companheiros terão dificuldades pela frente na capital mineira.

"É uma das seleções mais fortes que o Chile teve nos últimos anos. É uma seleção rápida, muito técnica, e tem jogadores já experimentados no futebol mundial, jogadores de classe. Não sei como vai ser esse jogo, se vão jogar por uma bola só. Mas, pelo que estão apresentando na Copa, acho que vão tentar jogar de igual para a gente e atacar bastante nossa equipe" disse, nesta quinta-feira.

Além das três partidas disputadas pelos chilenos neste Mundial, o elenco assistiu a trechos do último duelo do Brasil contra eles, disputado em novembro do ano passado, no Canadá. Na ocasião, já treinado por Luiz Felipe Scolari, o time verde-amarelo venceu por 2 a 1 (Hulk abriu o placar, Eduardo Vargas empatou, e Robinho garantiu o triunfo). Fred não estava em campo, mas teve a memória refrescada pelo vídeo.

"A gente teve várias oportunidades, o Chile teve apenas uma e fez um gol. Eles têm jogadores no meio-campo e na frente que podem fazer a diferença. A grande qualidade do Chile é sua aplicação tática, a entrega", comentou, identificando como único ponto negativo adversário a baixa estatura da sua defesa. Ponto que o técnico Jorge Sampaoli tem conseguido contornar de diferentes formas. Uma delas, reforçando sua primeira linha com um terceiro zagueiro.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Feliz com gol marcado no último jogo, Fred sabe que não terá vida fácil contra o Chile

"Se vier algum cruzamento da linha de fundo, vou ter vantagem, porque minha estatura é maior. Mas eles são muito bons de cabeça. Com três zagueiros, terei que tirar aquele que joga na sobra, porque sei que o Neymar e o Hulk, quando pegarem na bola, vão driblar e bater a gol. Fica um pouco mais difícil de marcar a saída de bola, porque eles deixam um zagueiro centralizado e dois abertos, o que desgasta mais nossa marcação. Mas a gente já treinou com o Felipão essa saída", falou o atacante de 1,86m.

"Tenho conversado com nossos laterais e os pontas. Eles (zagueiros chilenos) são baixos, mas tiram muito o adversário com o corpo, usam bastante isso, e têm um tempo de bola bem forte. Mas essa estatura nossa pode nos beneficiar. A bola parada, inclusive, pode ser uma boa arma para a gente", prevê o camisa 9.

O duelo decisivo está marcado para 13 horas (de Brasília) de sábado, no Mineirão. A delegação segue ainda no final da tarde desta quinta-feira para Belo Horizonte, onde treinará nesta sexta.