Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Júlio César não treina e faz exercícios para lombar na academia

Tossiro Neto Teresópolis (RJ)

O goleiro Júlio César não desceu ao gramado na tarde desta sexta-feira com o restante do elenco da Seleção Brasileira. A versão oficial da CBF é de que ele foi poupado para fortalecimento muscular e sua ausência já estava programada pela comissão técnica. Na realidade, porém, ele realizou exercícios para a lombar, local em que sofre com dores crônicas desde 2003.

O trabalho na academia foi feito sob orientação de Francisco González, avaliador de atividades físicas, com supervisão integral do fisioterapeuta Luiz Alberto Rosan. Júlio César ficou a maior parte do tempo deitado no chão antes de se levantar, levar as duas mãos às costas e fazer um sinal como se tivesse levado uma pancada.

Depois disso, o jogador foi para a bicicleta ergométrica. Enquanto pedalava e conversava com o preparador físico, fez o sinal da cruz e, em seguida, um gesto com as mãos na altura da cintura. Na Copa do Mundo de 2010, Júlio César utilizou uma cinta lombar, a qual só deixou de ser segredo após ele levar um pisão em partida contra Portugal. Enquanto recebia atendimento, o material ficou exposto, a contragosto do chefe do departamento médico, José Luiz Runco.

Abafado pela CBF, tratamento para coluna alivia dores de Júlio César

Desde o início da preparação da Seleção na Granja Comary, em 26 de maio, o goleiro deixou duas vezes o campo antes do final dos trabalhos. Na quinta-feira, treinou debaixo de chuva por mais de uma hora. Além disso, há pouco mais de uma semana, foi um dos que pediram a presença de uma quiropraxista, profissional que basicamente cuida do alinhamento da coluna. Ele dispunha de especialista da área em seus dois últimos clubes (Queens Park Rangers, da Inglaterra, e Toronto FC, o qual defendeu ao longo do primeiro semestre, no Canadá).

Questionado sobre a lombalgia de Júlio César, há cerca de três semanas, Runco admitiu que ele precisa de cuidado extra, porque seu problema é "incurável", comum a quem é submetido a exercícios físicos pesados. "Ele faz um trabalho bem elaborado, aprendeu a fazer, está se cuidando e desenvolve seu trabalho normalmente. É um problema que ele não traz de agora, mas há 11 anos, e que nunca fez com que ele deixasse de ser o goleiro que é", falou.

A função do colete utilizado quatro anos atrás - e chamado de cinta lombo-sacra - é imobilizar a região lombar, evitando entorses geralmente resultantes de movimentos bruscos. Até o momento, ao que se sabe, o jogador de 34 anos não voltou a usá-lo.