Futebol/Copa 2014 - ( )

Júlio César prevê emoção até o final, mas não quer mais pênaltis

Helder Júnior, enviado especial Belo Horizonte (MG)

Herói da classificação brasileira para as quartas de final da Copa do Mundo, com dois pênaltis defendidos na disputa com o Chile, o goleiro Júlio César já se deu por satisfeito em ser protagonista dessa forma uma vez. Ele projetou uma caminhada difícil para a Seleção, porém sem outras decisões da marca da cal.

“Pegamos uma chave com seleções fortes. O Chile merece todo o nosso respeito e provou a sua qualidade dentro de campo. Copa do Mundo é isso. Acho que será assim até o final. Só espero que as próximas partidas não sejam decididas nos pênaltis também, para os nossos familiares não morrerem do coração”, comentou Júlio César, sorrindo.

Para o técnico Luiz Felipe Scolari, o drama enfrentado diante do Chile poderá ser positivo para a Seleção Brasileira ficar calejada para a sequência do Mundial. O veterano Júlio César, nesse ponto, foi um dos que mais se emocionaram. Ele já chorava no gramado do Mineirão antes mesmo das cobranças de pênalti.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Especialista em defesas de pênaltis, Júlio César espera não se emocionar de novo dessa maneira
“Nunca escondi que sou um cara emotivo. Chorei porque vários jogadores me falaram coisas lindas. Não consegui segurar. Agradeço a cada um deles”, disse Júlio César, emocionado novamente, antes de minimizar um pouco o seu feito contra os chilenos. “Sou um cara realizado. Já tive vários momentos importantes na minha vida. Há espaço para tudo no meu coração. Mas foi algo especial, com certeza.”

Foi mais especial ainda porque o goleiro havia sido um dos vilões da eliminação brasileira na Copa do Mundo da África do Sul, já que falhou na derrota para a Holanda. “A minha pessoa foi muito questionada, mas estou bem preparado emocionalmente. Tenho que manter o meu foco para o meu sonho se realizar. Ser taxado de vilão é muito complicado. Só que nada é por acaso”, avisou.

Novamente em uma quartas de final de Copa do Mundo, outra vez após uma classificação sobre o Chile, Júlio César foi aplaudido ao deixar a sala de imprensa do Mineirão. Lá dentro, havia cativado a garota com quem pousou para fotografias com o prêmio de destaque da partida, concedido pela Fifa. “Dá até vontade de chorar”, ela disse.

“Tudo o que está acontecendo aqui me dá uma força maior para o próximo jogo”, concluiu Júlio César, empolgado para o confronto com a Colômbia, no Castelão. “Desculpem se falo bastante, mas estou resumindo uma trajetória de quatro anos”, emendou o vilão transformado em herói.