Futebol - ( - Atualizado )

Laudo põe solo como causa de acidente fatal em Itaquera; construtora contesta

São Paulo (SP)

Um laudo concluído pelo Instituto de Criminalística, ligado à Polícia Científica paulista, apontou o afundamento do solo como a causa do acidente que matou dois operários que trabalhavam na construção do estádio do Corinthians, em 27 de novembro do ano passado. A construtora Odebrecht, responsável pela obra, contesta o laudo e diz esperar a conclusão do estudo do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), encomendado pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Na ocasião do acidente, um guindaste tombou no canteiro de Itaquera, danificando parte da arena e causando a morte de Fábio Luiz Pereira, de 42 anos, e Ronaldo Oliveira dos Santos, de 44 anos. As obras ficaram interrompidas por alguns dias, atrasaram-se bastante e estão sendo concluídas com outra morte computada, a de Fabio Hamilton da Cruz, de 23 anos, que caiu durante a montagem das arquibancadas provisórias.

O laudo do Instituto de Criminalística é o terceiro sobre o acidente de novembro. O primeiro foi encomendado pela Liebherr – fabricando do guindaste, que levou uma espécie de “caixa-preta” do equipamento para a Alemanha, mas disse que nada foi registrado –, feito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e também apontou o solo como causa. O engenheiro Antônio Carlos Guimarães assina o documento.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Guindaste da Liebherr tombou quando movimentava uma treliça de 420 toneladas
Na ocasião, a Odebrecht negou essa causa e encomendou o próprio estudo com a empresa Geocompany. O laudo, assinado pelo engenheiro Roberto Kochen, diz que uma série de análises foi feita na região e levou à conclusão de que o solo não cedeu. A construtora entende que o estudo a ser divulgado pelo IPT, feito a partir de várias visitas a Itaquera, será o mais conclusivo.

A conclusão sobre a causa do acidente é o centro do inquérito a seu respeito. É importante saber se o guindaste – que trabalhava na instalação de uma peça de 420 toneladas, a última das 38 de treliças de suporte à cobertura do estádio – caiu por falha mecânica, erro humano na operação do equipamento ou problema no planejamento da obra.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade