Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Mexicanos trocam adereços e provocações com brasileiros

Helder Júnior, enviado especial Fortaleza (CE)

O verde era tão (ou mais) presente do que o amarelo nos arredores do Castelão, em Fortaleza, horas antes de a Seleção Brasileira enfrentar o México pela segunda rodada do grupo A da Copa do Mundo. Milhares de mexicanos tomaram as ruas da capital cearense e interagiram amigavelmente com os torcedores anfitriões.

Nos bares próximos ao Castelão, foi comum os brasileiros e os mexicanos trocarem adereços, como chapéus e camisas. Os estrangeiros mais entusiasmados queriam levar consigo ainda as mulheres que viam pela frente.

Também havia provocação. Os mexicanos que circulavam de carro faziam questão de entoar gritos de guerra para os brasileiros nas calçadas. Um grupo de crianças gostou da brincadeira e passou a também berrar pelo México, ganhando soar de buzinas como retribuição.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Prontos para a luta, mexicanos cativaram mulher brasileira antes da partida no Castelão
Os trajes dos mexicanos chamaram a atenção de muita gente. Alguns optaram pelas máscaras de luta livre, tradicional no país norte-americano, enquanto a maioria escolheu referências aos personagens de Chaves e Chapolin para ir ao estádio. Havia até quem utilizasse o diminutivo em português nos nomes estampados nas costas de seus uniformes (como “Omarzinho” e “Pedrinho”), em clara referência ao Brasil.

Os mexicanos têm feito algazarra em Fortaleza desde os dias que antecederam o encontro com a Seleção Brasileira, lotando os pontos turísticos da capital. Na noite de segunda-feira, o local predileto foi o hotel onde o México se hospedou. Houve festa na orla ali em frente, com música e muita bebida, até amanhecer.