Futebol/Copa do Mundo - ( )

Não é só Brasil: Chico e Diogo também torcem por Uruguai e Grécia

São Paulo (SP)

O elenco do Palmeiras conta com quatro estrangeiros: o chileno Jorge Valdívia, os uruguaios Victorino e Sebástian Eguren e o paraguaio Mendieta. Mesmo assim, mais dois jogadores garantem que não torcem apenas para a Seleção Brasileira na disputa da Copa do Mundo: Diogo afirma que tem um carinho especial pela Grécia e Chico pelo Uruguai.

Filho de pais nascidos no Uruguai, Chico afirmou em sua casa tem que dividir a atenção entre a equipe Celeste e o time de Luiz Felipe Scolari. “É sempre bem dividido na minha casa. O Brasil estreou na Copa do Mundo primeiro e todo mundo torceu, mas, no dia seguinte, jogou o Uruguai e todos estavam de azul. Comigo não foi diferente. Acho que está no sangue”, disse ao site oficial do Palmeiras.

Chateado com a vitória do Uruguai na primeira rodada da Copa do Mundo, Chico acredita que o importante é torcer até o final. “Sei que o grupo é complicado, difícil passar, mas vamos até onde der”. Ao lado dos sul-americanos, Itália, Inglaterra e Costa Rica fecham o chaveamento.

No entanto, questionado sobre uma hipotética final entre as duas seleções, ele não hesitou. “Estava conversando com meu pai sobre isso e falei que, caso dê Uruguai e Brasil na final, vou torcer pelo Brasil por causa de 1950, para que seja a revanche”.

Divulgação
Filho de pais nascidos no Uruguai, Chico divide o coração na Copa do Mundo (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras)

Outro do elenco que não torce apenas pela Seleção Brasileira é o atacante Diogo, que gosta da Grécia, já que atuou no Olympiakos, um dos maiores do país, onde disputou 75 jogos e marcou 17 gols. Porém, ele sabe que a seleção nacional está longe de conseguir faze a diferença em uma Copa do Mundo.

“Futebol é difícil. Acho que terão a chance de conquistar um Mundial só se surgir uma geração espetacular. Apesar deles viverem muito intensamente esse esporte, será complicado. Até mesmo pelo tamanho do país, já que o Brasil, por exemplo, é enorme, sempre surgem bons jogadores”, analisou.