Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Neymar diz ter atuado com dores, e Felipão se irrita com faltas

Helder Júnior, enviado especial Belo Horizonte (MG)

O atacante Neymar levou uma pancada na coxa direita logo no início da partida contra o Chile, neste sábado, e diz ter sofrido com as dores até o término do duelo das oitavas de final. O técnico Luiz Felipe Scolari reclamou bastante das faltas e se mostrou preocupado, mas o jogador explicou que não deve ser problema para a próxima partida do Brasil nesta Copa do Mundo.

“Acho que vou estar bem para o próximo jogo. Levei duas pancadas que incomodaram bastante durante a partida inteira. Isso limitava alguns movimentos que tinha de fazer, mas valeu a pena no fim”, comentou.

A falta que mais atrapalhou Neymar aconteceu no começo, quando Aránguiz acertou a coxa direita do atacante. O treinador da Seleção Brasileira ficou muito irritado e criticou a arbitragem por não ter dado cartão amarelo ao chileno.

“Hoje (sábado), ele jogou depois de uma pancada na coxa muito forte, e não conseguimos entender como alguém bate daquela forma e não leva cartão. Está com a perna desse tamanho, mas conseguiu jogar porque gosta”, afirmou.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Neymar levou a pancada no início da partida e explicou que ficou com alguns movimentos limitados
O treinador se mostrou até preocupado com a recuperação do atacante e aproveitou para defendê-lo de quem o acusa de simular faltas. “Não entendo. Algumas pessoas falam que o Neymar cai, mas, provavelmente, vai passar três, quatro ou cinco dias com inchaço. Será um problema grande para colocá-lo em campo no próximo jogo”, acrescentou, ciente de que o Brasil volta a campo na sexta-feira, em Fortaleza.

O camisa 10 permaneceu em campo durante todo o tempo e converteu a última cobrança da Seleção Brasileira na disputa por pênaltis. A tranquilidade do atacante de 22 anos para deslocar o goleiro Bravo deixou o técnico orgulhoso.

“Ele já é experiente, como se tivesse 35 anos, e lida com essa dificuldade naturalmente. É muito bom mentalmente, tem detalhes em sua vida que indicam que o Neymar estava pronto desde os 17, 18 anos. É simples. Ele joga futebol e gosta disso. Por isso, é como se fosse o pênalti da pelada dele lá de Santos. Tem amor à profissão e esquece se está batendo pênalti na Copa do Mundo ou em pelada. Faz aquilo normalmente”, completou.