Futebol/Copa 2014 - ( )

Oscar desconfia de complô para Willian entrar em seu lugar na Copa

William Correia e Marcos Guedes São Paulo (SP)

Oscar começará a Copa do Mundo como o titular mais contestado da Seleção Brasileira, e se irrita com a situação. O meia lembra que, em três amistosos no ano, já marcou gol e deu até assistência. Por isso, desconfia até de um complô para que Willian, seu companheiro no Chelsea, fique com a sua vaga durante o Mundial.

“Estão querendo colocar o Willian e me tirar, só pode. Só falam de mim e dele”, disse Oscar, esboçando a raiva com o rosto se avermelhando. “Contra a África do Sul fiz gol e fui um dos melhores, em Goiás dei passe para gol e agora, a um jogo, todos querem me tirar. Não sei o que está acontecendo que falam que estou mal.”

Após o gol na África, em março, o meia deu assistência para Daniel Alves marcar contra o Panamá na terça-feira, mas não participou tanto do amistoso no Serra Dourada e, contra a Sérvia, passou quase despercebido no Morumbi. Willian, por sua vez, fez gol em Goiânia e deu mais dinâmica ao time nessa sexta-feira.

Luiz Felipe Scolari, contudo, até interrompeu a pergunta de um jornalista sobre Oscar na entrevista coletiva dessa sexta-feira para avisar que ele é quem escala o time, embora classifique a manutenção do atual time titular como “tendência”. De qualquer forma, a declaração do técnico é apontada como prova de confiança para o camisa 11.

“Precisamos de confiança e é isso que o Felipão passa para mim. O Willian está bem, mas cada um tem seu momento e eu vinha sendo um dos principais jogadores da Seleção e estou em grande momento ainda. Não é um amistoso ou um treinamento que vai me tirar do time”, apostou Oscar.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Meia não apareceu bem nem deu dinâmica nos últimos amistosos, mas ainda se sente em grande momento
O meia, porém, tenta não fazer com que sua reação pareça uma briga com Willian. “Não estamos disputando nada, jogo em várias posições e ele, também. Não tem nada a ver. Somos grandes amigos e o Felipão sabe que podemos jogar juntos, como jogamos no Chelsea. Então vamos continuar fazendo o nosso melhor.”

Mais do que as críticas, o nascimento de sua filha ajuda Oscar a provar seu valor no primeiro Mundial da carreira. “Vou jogar a Copa não só para ela, mas para todos. O meu pensamento era assim antes e, agora, depois do nascimento dela, a motivação aumenta mais”, avisou o meia.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade