Futebol/Copa 2014 - ( )

Padrão Fifa de segurança premia torcida privilegiada na Comary

Tossiro Neto Teresópolis (RJ)

A imagem de um garotinho sentado com as pernas cruzadas no asfalto - detrás de um gradil de proteção, à espera da saída do ônibus da Seleção Brasileira, no domingo à noite - simboliza o distanciamento que a equipe tem para o torcedor comum na Granja Comary. Horas antes, convidados de patrocinadores estavam acomodados em uma arquibancada de frente para o campo e conseguiriam autógrafos e selfies com os jogadores.

O aparato de segurança para o time treinado por Luiz Felipe Scolari é pesado. São três barreiras (de vigias e policiais) até a recém-reformada sede da Confederação Brasileira de Futebol, localizada em um condomínio de luxo próximo à entrada de Teresópolis. A primeira é uma triagem simples, a dois quarteirões do local, pela qual é possível passar a pé ou com veículos autorizados. Já no segundo bloqueio, apenas moradores do condomínio e seus convidados têm permissão para avançar. É lá geralmente que se forma uma aglomeração de curiosos.

Veja galeria de fotos do Circo Voador na Copa
Pai do Circo Voador condena rigidez na Seleção
Copa do Circo teve sexo, drogas, rock e futebol

Uma vez dentro do condomínio, o contato com a equipe não é difícil. Se a rua principal tem uma última barreira com padrão Fifa de segurança (com policiais e até soldados do Exército, todos fortemente armados), o lado oposto do CT permite a aproximação dos condôminos, separados do segundo campo de treino apenas por uma grade. Depois das atividades, os atletas vão até lá e fazem a festa dos privilegiados, principalmente crianças e meninas, loucas por uma fotografia.

"Tento, sempre que tenho oportunidade, retribuir também fora de campo o carinho que recebo, tudo aquilo que os torcedores fazem por mim e por nós. Porque sei que isso é muito importante, não só para mim, mas também para eles", diz o zagueiro David Luiz, nome mais requisitado pelos fãs, depois do atacante Neymar, que também atende aos pedidos de modo simpático.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Garotinho espera pela saída do ônibus da Seleção Brasileira, no mesmo dia em que convidados de patrocinadores, do interior da Granja Comary, tiraram fotografias e conseguiram autógrafo dos jogadores
Na primeira semana de preparação da Seleção para a Copa do Mundo, houve outros privilegiados além dos moradores do condomínio de luxo. Na quinta-feira, mesmo dia em que um grupo de crianças berrava em vão do lado de fora, os filhos de Luciano Huck acompanharam o pai na gravação de um programa - o apresentador levou um garoto de 17 anos, que sofre de artrogripose, para conhecer os jogadores no gramado - e tietaram de perto o elenco.

Dois dias depois, foi a vez de outro contratado da TV Globo ter acesso diferenciado. Mumuzinho, cantor de pagode e integrante de um programa dominical da emissora, gravou com os atletas no interior do CT. "Uma visita espetacular, com uma energia sublime, com uma simpatia inigualável", descreveu o lateral direito Daniel Alves, na mensagem que acompanha a fotografia publicada em sua conta no Instagram, na qual o artista aparece rodeado por dez dos os 23 convocados de Felipão, seis deles titulares.

No domingo, antes de a delegação deixar Teresópolis rumo a Goiânia para a disputa de amistoso contra o Panamá, dezenas de convidados de empresas que patrocinam a CBF tiveram quase a mesma liberdade que familiares e conhecidos. A diferença é que os mais íntimos (como a atriz Bruna Marquezine, namorada de Neymar) puderam almoçar por lá e passear por quatro horas com os atletas fora da Granja Comary. Mas em carros com vidros escuros que os tornavam invisíveis para a torcida comum.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade