Futebol/Copa do Mundo - ( - Atualizado )

Presença na área e pontaria dão falsa impressão de domínio brasileiro

Fortaleza (CE)

Após vencer na estreia, o Brasil não passou de um empate sem gols com o México nesta terça-feira. O goleiro mexicano Ochoa foi eleito o melhor homem em campo. Pode parecer que faltou apenas um detalhe para os brasileiros saírem com a vitória, mas os números da partida mostram que o confronto não foi tão simples assim.

O que fazer com a bola dentro da área? -No campo de ataque, os brasileiros estiveram mais vezes dentro da área mexicana. Foram 11 bolas recebidas dentro da grande área, que obrigaram Ochoa a fazer cinco defesas.

O México, por sua vez chegou à área brasileira apenas cinco vezes. Os chutes dali foram dois. No entanto, os mexicanos deram, ao todo, 13 chutes, número que demonstra o espaço deixado pelos brasileiros para arremates de fora da área. Seis deles passaram muito perto do gol de Júlio César, que foi obrigado a fazer duas grandes defesas.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
11 vezes com a bola dentro da área adversária, o Brasil não soube o que fazer
Queda de rendimento no fim da partida - Outra estatística que pode preocupar os brasileiros é a queda de rendimento nos minutos finais da partida.

Nos 15 minutos finais, a Seleção permitiu que os mexicanos acertassem dois chutes no gol e equilibrassem a posse de bola, fator me que o Brasil foi superior em todo o jogo (54% contra 46%).

Rebotes do adversário e muitas bolas perdidas - Por fim, o Brasil conseguiu se destacar negativamente em dois outros aspectos que tem mais a ver com sua defesa.

Os números apresentados pela Seleção foram baixos comparados com os do adversário. As bolas recuperadas pela seleção mexicana foram 50, enquanto o Brasil recuperou apenas 36. Já o número de bolas perdidas dos brasileiros foi maior: 76 contra 68.