Futebol/Copa do Mundo - ( - Atualizado )

Ramos defende técnico e Casillas, mas admite que derrota deixou marcas

Do correspondente Luiz Felipe Fagundes Curitiba (PR)

Mesmo com experiência de quem já foi campeão do mundo e da Europa, o zagueiro Sergio Ramos admite que uma derrota como a da Espanha na estreia da Copa do Mundo, por 5 a 1, diante da Holanda, não tem como não marcar a carreira de um profissional. Entretanto, o momento é de apagar a má atuação, superar a dor, e dar a volta por cima.

“O resultado diz tudo. Se fizéssemos nosso segundo gol, seria outra história. Isso marca sua vida, seu currículo profissional. Mas não podemos pensar nem um segundo mais nessa partida. Não tem tempo para lamentar”, afirmou o jogador, tentando transformar derrota em combustível para a reabilitação. “Foi uma das piores partidas nossa, mas é uma motivação a mais para a segunda partida”, acrescentou.

A imprensa espanhola já questiona as alterações feitas pelo técnico Vicente del Bosque e pede mais mudanças diante do Chile. Porém, Ramos ponderou sobre o que aconteceu diante da Laranja e deixou a decisão para seu comandante “Quando saiu o terceiro gol, a cabeça ficou confusa. O jogo estava nas mãos. E uma energia negativa tomou os 11 que ali estavam. Não era uma questão de mudar os jogadores. Teria que mudar os 11, pois todos não estavam bem. Agora o nome mais indicado para decidir o que tem que fazer é Vicente”, apontou.

AFP
Sergio Ramos afirmou que a goleada marcou o currículo profissional de todos os jogadores
O defensor aproveitou para defender o goleiro Casillas, crucificado pelos cinco gols tomados, e acredita que as críticas sempre se voltam aos mais experientes. “O peso recai nos jogadores que estão a mais tempo, que tem mais experiência. Todos têm que assumir sua parte. Ele tem uma história de sucesso e precisa se motivar com isso para seguir em frente”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade