Futebol/Campeonato Brasileiro Série B - ( - Atualizado )

Relação com jogadores deve garantir permanência de Adilson no Vasco

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

Se o Vasco tivesse tropeçado no Boa Esporte na noite de terça-feira, iria para o recesso da Série B do Campeonato Brasileiro, que será interrompida para a disputa da Copa do Mundo, em crise. Além disso, a demissão do técnico Adilson Batista poderia ser considerada consumada por conta da pressão de alguns conselheiros e membros da oposição. Porém, o triunfo por 2 a 0 em Varginha (MG) devolveu um pouco da paz ao clube. 

Algumas questões pesam a favor de Adilson Batista. Os jogadores têm excelente relacionamento com o comandante e não gostariam de uma troca no comando neste momento. Tanto que após a partida contra o Boa, deram um abraço coletivo no treinador demonstrando total apoio.

“O problema não é o Adilson, e sim o fato de termos uma sequência de jogos complicados com a obrigação de encaixarmos. Se tirarem o Adilson vão esquecer dos erros que cometemos dentro de campo individualmente e dos problemas de lesão, do fato de jogarmos sem torcida, enfim, um monte de coisas que pesaram negativamente neste momento. Contra o Boa, voltamos a ver as coisas acontecerem”, disse o zagueiro Rodrigo, um dos líderes do elenco.

Marcelo Sadio/Divulgação/Vasco da Gama
Adilson Batista conversa com o meio-campista Pedro Ken durante um treino antes do jogo contra o Boa
Os fatores lembrados por Rodrigo realmente também estão pesando na permanência de Adilson. Do início da Série B até está décima rodada, o time não pôde contar na maioria dos jogos, ou em sua totalidade, com peças importantes. O próprio Rodrigo esteve no departamento médico, tendo a companhia dos volantes Pedro Ken e Guiñazú e do atacante Edmilson. Isso sem falar no volante Danilo, negociado com um grupo de empresários que o levou para o Braga, de Portugal, e o atacante Thalles, que serviu à Seleção Brasileira no Torneio de Toulon, na França. Outro desfalque na maioria dos jogos foi o goleiro Martin Silva, ora lesionado, ora a serviço da seleção do Uruguai. Com todo o elenco à disposição, o treinador conseguiu fazer vuma boa campanha no Campeonato Carioca e levou o time para a final contra o Flamengo, quando empatou os dois jogos por 1 a 1 e só perdeu o título nos critérios de desempate e graças a um gol irregular anotado pelo volante Márcio Araújo nos acréscimos do segundo tempo.

Outro fator favorável ao treinador é que o Vasco praticamente não jogou em casa, pois nas partidas contra América-MG, Atlético-GO e Oeste não teve o apoio dos torcedores, já que cumpria punição imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por conta do tumulto gerado ano passado, em Joinville (SC), na partida contra o Atlético-PR pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

Por fim, Adilson tem ainda o apoio dos torcedores, que nas redes sociais e em enquetes de sites esportivos estão se manifestando contra uma possível demissão, levando em consideração os fatores lembrados pelos jogadores. O treinador, porém, não pretende ficar comentando a possibilidade de ser demitido.

“Isso vocês precisam perguntar para o Rodrigo (Caetano, diretor executivo do departamento de futebol)”, disse Adilson após a partida contra o Boa.

Após o triunfo diante dos mineiros, o elenco do Vasco ganhou folga de 12 dias. A reapresentação acontecerá no dia 16 de jungo e o grupo vai passar por um período de treinos longe do Rio de Janeiro, em Atibaia (SP). O próximo compromisso pela Série B do Campeonato Brasileiro será apenas em 15 de julho, diante do Santa Cruz, em campo ainda a ser definido pelos dirigentes vascaínos.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade