Futebol/Copa do Mundo - ( - Atualizado )

Rio tem greve e protesto no Centro; Ônibus não circulam em Natal

Rio de Janeiro (RJ)

Se em São Paulo os manifestantes contra a Copa do Mundo entraram em conflito com a Polícia Militar na zona leste da cidade, nos arredores da principal via de acesso à Arena Corinthians, outras duas cidades-sede da competição também sofrem com protestos no dia da abertura. Em Natal, uma greve de rodoviários proíbe a circulação de ônibus, enquanto uma paralisação no aeroporto e uma mobilização no centro prejudicam o trânsito no Rio de Janeiro.

Em Natal, motoristas e cobradores de ônibus não aceitaram a última proposta de 5,82% de reajuste, feita pelo Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros. Desta forma, ficou decidido que a decisão pela greve seria mantida, a partir desta quinta-feira.

Já no Rio de Janeiro, outra paralização prejudica o trânsito nos arredores do Aeroporto Antônio Carlos Jobim (Galeão), na Ilha do Governador. Os manifestantes tomaram a Avenida Vinte de Janeiro, o que prejudica a chegada de passageiros ao local. O terminou funciona normalmente.

AFP
O Fuleco, mascote da Copa do Mundo, foi utilizado na manifestação na região central do Rio de Janeiro
Na região central da capital fluminense, os protestos são contra a realização da Copa do Mundo. Dezenas de manifestantes fecharam parte da Avenida Presidente Vargas e caminham pela região . A mobilização, aliás, conta com pessoas fantasiadas.

A Polícia Militar acompanha o ato, no qual os participantes convocam a população para uma greve geral. Após um início mais tranquilo, foi preciso fazer algumas intervenções e ao menos três manifestantes foram punidos. A intenção é realizar uma caminhada até a região da Lapa. As faixas têm dizeres como "Fifa go home" (Fifa vá para casa) e "Nossa Copa é na rua".

A situação em Fortaleza também é tranquila, mas há ameaça de greve de motoristas e cobradores de ônibus nos próximos dias. A cidade, que também é sede da Copa, foi palco de um pequeno protesto na manhã desta quinta-feira, mas não foi preciso qualquer tipo de intervenção da Polícia Militar.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade