Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Rooney desencanta, mas Suárez deixa Uruguai vivo e complica ingleses

Bruno Ceccon, Luiz Ricardo Fini e William Correia São Paulo (SP)

Maior aposta inglesa, Rooney conseguiu nesta quinta-feira fazer seu primeiro gol em Copas do Mundo, mas o atacante e sua seleção perderam para alguém mais habituado a balançar as redes. Recém-recuperado de cirurgia no joelho esquerdo, Suárez estreou no Mundial apenas nesta tarde, e marcou os dois gols da vitória uruguaia por 2 a 1 no estádio de Itaquera.

A capacidade decisiva do atacante do Liverpool encaminha a eliminação britânica. Os campeões mundiais em 1966, sem nenhum ponto em dois jogos até agora, só chegarão à última rodada do grupo D com chances de classificação se a Itália vencer a Costa Rica nesta sexta-feira. Qualquer outro resultado já acaba com a participação do time na Copa.

O Uruguai, por sua vez, enfrenta a Itália na terça-feira, às 13 horas (de Brasília), em Natal, dependendo somente de si para se classificar, já que somou seus primeiros três pontos nesta quinta-feira. A Inglaterra, por sua vez, depende da Itália para saber se não entra em campo apenas para cumprir tabela diante da Costa Rica, também ás 13 horas de terça-feira, no Mineirão.

A definição do grupo chamado da morte se deve a Suárez. O atacante aproveitou cruzamento preciso de Cavani aos 38 minutos do primeiro tempo para abrir o placar. aos 29 da etapa final, Ronney fez seu primeiro gol em Copas do Mundo, mas Suárez, destaque uruguaio há quatro anos, foi ainda mais decisivo ao receber contra-ataque e definir o placar aos 29 da etapa final.

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press
No primeiro tempo, Suárez recebeu passe de Cavani e desviou de cabeça para abrir o placar em São Paulo
O jogo – Não foram necessários muitos minutos para a Inglaterra mostrar que conta com mais opções do que o Uruguai. O time de Roy Hodgson alternou-se no 4-2-3-1 e no 4-4-2 confiando basicamente nas movimentações de Rooney no ataque e de Gerrard na cabeça de área, até deixando de jogar para organizar a equipe taticamente.

Os sul-americanos, por sua vez, contava com uma estratégia bem simples. Tinha quatro ou cinco na linha de defesa, dependendo do posicionamento de Arévalo Rios, com a ideia de bloquear as jogadas pelas pontas dos britânicos. Quando algum dos comandados de Oscar Tabárez tivesse a bola, precisava procurar a correria de Lodeiro ou, ao menos, encontrar Cavani. Um dos dois tinha que tocar para Suárez.

Enquanto a grande esperança uruguaia se mexia em busca da bola, os ingleses foram subindo e os latinos protegiam o pouco confiável Muslera da maneira que fosse necessária. Assim, começaram a cometer faltas e, na cobrança de uma delas, aos nove minutos, Rooney fez a bola passar rente à trave.

Para afastar o perigo, o Uruguai tentava transformar chutão em lançamento e, aos 14 minutos, viu Cristian Rodríguez, aos 14 minutos, pegar a sobra de um deles e bater com perigo uma rara oportunidade celeste de surpreender os europeus. Defendendo e atacando em bloco, os ingleses só não conseguiam achar espaço para finalizar com perigo.

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press
Já no segundo tempo, Rooney aproveitou o cruzamento para a área e apareceu na segunda trave para empatar
Na tentativa de respirar, aos 25 do primeiro tempo, Tabárez adiantou a marcação e aproximou Cavani de Suárez, dando maiores chances para Lodeiro trabalhar além de só correr atrás de ingleses. A primeira consequência da mudança foi Cavani aproveitando jogada ensaiada em cobrança de escanteio e chutando próximo do travessão.

A Inglaterra, porém, sabia um atalho para seguir jogando no campo adversário: Martin Cáceres. Escalado na lateral direita, o jogador da Juventus foi alvo fácil por não conseguir bloquear os lançamentos para Welbeck e cometia faltas facilmente. Na cobrança de uma delas, Muslera falhou e Rooney cabeceou no travessão, aos 31 minutos.

O Uruguai, contudo, não se assusta ao ser pressionado e confia plenamente no trio ofensivo. Provou por que tanta convicção em suas jogadas aos 38 minutos. Do meio-campo, Lodeiro lançou Cavani, que teve tranquilidade para cruzar com precisão na cabeça de Suárez. Nas costas de Jagielka, o atacante do Liverpool ajeitou o corpo para testar a bola sem chances de defesa para Hart.

Já sem organização, jogando-se na frente, a Inglaterra tentou o empate ainda no primeiro, mas não conseguiu. Os britânicos entenderam que abusar do sofrimento adversário é a melhor arma dos bicampeões mundiais, e passaram toda a etapa final lutando contra a própria tensão para superar os obedientes e destemidos uruguaios.

Djalma Vassão/Gazeta Press
O dia, no entanto, era de Suárez, que emendou uma bomba de perna direita e garantiu a vitória celeste
Como já se previa, a Celeste usou o nervosismo inglês como atalho e viu, com menos de sete minutos no segundo tempo, Hart evitar gol olímpico de Suárez e Cavani finalizar para fora após assistência de Lodeiro. Tudo caminhava para que os comandados de Tabárez definissem a partida em um contra-ataque, até porque faltavam opções no banco inglês.

Mesmo sem tantas alternativas, Hodgson privilegiou quem tinha mais fôlego para correr e forçar o erro uruguaio. Trocou Sterling e Wellbeck por Barkley e Lallana, e insistiu nas jogadas pelas pontas. Teve sucesso. Aos 29 minutos, Johnson aproveitou um raro vacilo adversário e encontrou Rooney completamente livre na pequena área. Ficou fácil para o camisa 10 inglês desencantar em Copas do Mundo.

O Uruguai, no entanto, ainda tinha Suárez, e o atacante é realmente decisivo. Aos 39 minutos, o jogador que chegou a ser dúvida para disputar a Copa do Mundo recebeu contra-ataque e finalizou com força na grande área para garantir três pontos e a sobrevivência uruguaia no Mundial. Azar dos seus colegas do Liverpool que, neste Mundial, estão do outro lado. E quase eliminados.