Futebol/ Clubes paranaenses - ( - Atualizado )

Sem Copa do Mundo, paranaenses se preparam para volta do Brasileirão

Do correspondente Luiz Felipe Fagundes Coritiba (PR)

A Copa do Mundo já acabou. Pelo menos essa é a sensação em Curitiba, que recebeu quatro partidas da primeira fase da competição, mas vê a estrutura do ‘circo’ ser desmontada e a rotina ser retomada gradativamente. É bem verdade que a empolgação não tomou conta dos paranaenses, mas era impossível ficar alheio, sem tropeçar no Mundial em cada esquina, com bandeiras, televisores ligados, turistas e, principalmente, a Arena da Baixada enfeitada para receber os jogos.

É exatamente no estádio que as maiores mudanças estão acontecendo. As estruturas temporárias da Fifa e dos patrocinadores já estão em fase final de desmontagem. Pelo lado de fora, ainda estão de pé a tenda que recebeu a imprensa e as grades na praça Afonso Botelho, que em breve passará por uma nova reforma para receber novos equipamentos urbanos. O prazo previsto para devolução ao Atlético Paranaense é três de julho, mas as atenções estão voltadas mesmo para o Campeonato Brasileiro.

Até 20 de julho, data da partida do Furacão diante do Criciúma, operários voltarão fazer parte da paisagem e com muito trabalho pela frente. O clube deve terminar o prédio que antes seria destinado à imprensa, construir as novas cabines para receber os jornalistas, instalar cadeiras, arrumar acessos e lanchonetes, além, é claro, de cuidar do gramado, um dos poucos fatores a receber críticas mais duras durante a Copa. A parte da recepção ao torcedor é a que menos preocupa no momento, já que o clube ainda tem quatro jogos de punição a cumprir com portões fechados.

Time que mais se envolveu com o Mundial, o Rubro-Negro também tem sua rotina voltando aos poucos. A intertemporada, que começou no CT Barcelos, agora já segue normalmente no CT do Caju, que foi o quartel-general da Espanha e estava indisponível no período em que a “Roja” estava hospedada. O principal desafio é retomar o embalo de antes da parada e absorver a filosofia de jogo do novo treinador, Doriva, escolhido para o lugar de Miguel Ángel Portugal, mesmo com a boa aceitação do torcedor pelo interino Leandro Ávila.

Uma das poucas novidades no elenco vem do sub-20. É o zagueiro Rafael Zuchi, que no final de semana participou do jogo-treino diante do Metropolitano-SC e já mostrou serviço para o comandante atleticano. "Estou muito feliz por reintegrar o grupo principal e contente de ter a oportunidade ofertada pelo Doriva, já no primeiro jogo-treino. Eu acredito que estou bem. Sempre tento melhorar no que posso. Tenho trabalhado firme todos os dias e buscado o meu espaço. Gostei da minha primeira atuação perante o Doriva, mas sei que posso fazer ainda mais", garantiu.

Divulgação/Atlético-PR
O Atlético-PR terá o técnico Doriva em seu comando para fazer o Rubronegro deslanchar na Série A

O Coritiba teve uma discreta contribuição na Copa do Mundo ao ceder o Estádio Couto Pereira para os treinos de Argélia, Honduras e Austrália em suas respectivas passagens pela capital paranaense, mas desde a paralisação do Brasileirão não teve muito tempo para relaxar. Com o Coxa na zona de rebaixamento, o técnico Celso Roth iniciou um processo de reformulação, afastando alguns jogadores, reintegrando outros e recebendo algumas novidades. A principal, no entanto, ainda é aguardada ansiosamente.

O argentino Martinuccio já realizou exames médicos e apena aguardo o acerto de seu contrato para ser anunciado como principal reforço alviverde para a sequência da temporada, o que deve acontecer até terça-feira. Ele se juntará ao volante Hélder, o meia Élber, além de Zé Rafael e Anderson Aquino, que voltaram a fazer parte do grupo. Por outro lado, Diogo, Moacir, Jajá e Moacir, afastados, além de Victor Ferraz, negociado, não estarão à disposição para encarar o Figueirense, dia 16, no Alto da Glória.

Se deixar para trás os dias de Copa do Mundo, considerada até o momento uma das melhores da história, por um Campeonato Brasileiro que ainda não engrenou e tem deixado a desejar tecnicamente, para o Paraná Clube o abismo é ainda maior ao retornar para a Série B. Vivendo uma crise financeira crônica, dentro de campo o time reflete os problemas com uma campanha pífia, na zona de rebaixamento.

O técnico Claudinei Oliveira foi mantido no cargo e pediu reforços para reestruturar o elenco. A expectativa é de que até o dia 15, quando encarar o América-MG, já possa contar com pelo menos três novidades, que seguem como promessa da diretoria. Enquanto isso, resta buscar ritmo de jogo e qualificar quem está disponível. Sob observação, os jogadores precisam mostrar que podem permanecer em jogos-treinos contra os rivais da cidade. Dia cinco de julho o adversário será o Atlético-PR, no CT do Caju. Já no dia 10 encara o Coritiba, no Estádio Couto Pereira.

Divulgação/Coritiba F.C.
O Coritiba aguarda a chegada do meia argentino Martinuccio para reforçar o elenco e sair da zona de rebaixamento do Brasileirão