Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Sturridge dá entrevista animado e avisa: Inglaterra ficou "faminta"

Tossiro Neto Rio de Janeiro (RJ)

A felicidade com que Daniel Sturridge concedeu entrevista, nesta segunda-feira, surpreendeu. Menos de 48 horas depois da derrota por 2 a 1 para a Itália, na estreia da Copa do Mundo, o atacante da Inglaterra já estava reanimado - e confiante em uma vitória sobre o Uruguai - na conversa com os jornalistas.

"Você precisa ajustar seu sistema rapidamente. Não há muito tempo entre um jogo e outro. Não se pode ficar parado na derrota, como em nada na vida. Tem que se mover o mais rápido possível, isso é o mais importante. Quando fica parado demais no resultado anterior, você acaba não indo bem no jogo seguinte. Tem que manter a confiança", explicou, sorrindo.

Foi do jogador do Liverpool o único gol inglês na partida disputada em Manaus, no sábado. Ele balançou a rede italiana aos 36 minutos do primeiro tempo, um minuto depois de Marchisio ter aberto o placar a favor dos adversários. Mas, quatro minutos após o intervalo, Balotelli desempatou, impondo à Inglaterra uma derrota decepcionante na primeira partida do torneio.

"Evidentemente, havia muitas expectativas. Jogamos o melhor que podíamos como time e percebemos que temos jogadores de alta qualidade, uma mistura de jogadores experientes e mais jovens. Mas ficamos desapontados porque criamos e não conseguimos o resultado", comentou Sturridge, tratando logo de ajustar seus sentimentos. "Não era uma questão de que é preciso vencer o primeiro jogo para ganhar a Copa também. Ainda temos dois jogos para conseguir nosso objetivo".

Fernando Dantas/Gazeta Press
Atacante inglês mostrou-se recuperado da decepção sofrida na primeira partida da Copa do Mundo
"Agora, todos estão com mais fome, com vontade de demonstrar o que podemos fazer. Trata-se de uma grande oportunidade nas nossas carreiras. Algumas pessoas jogam apenas uma Copa, e nós não queremos voltar para casa cedo", acrescentou.

Na teoria, nem mesmo uma derrota na quinta-feira, em São Paulo, necessariamente eliminará o time treinado por Roy Hodgson - se a Itália bater a Costa Rica, no dia seguinte, a Inglaterra decidirá a vaga na última rodada, diante justamente dos costarriquenhos. Mas não é assim que pensam Sturridge e companhia, segundo ele.

"O empate pode servir, mas, segundo o que aprendi jogando no Liverpool, você tem sempre que tentar fazer seu melhor, porque não sabe qual será o resultado, não tem garantida de nada. Precisa dar o melhor individual e coletivamente para alcançar o resultado esperado, sempre com confiança. É isso que temos que fazer. Precisamos obter minimamente quatro pontos, e é isso que queremos", avisou o artilheiro inglês.

Publicidade

Publicidade


PublicidadePublicidade


Publicidade


Publicidade