Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Substituído para não ser expulso, Ramires diz que só obedeceu Felipão

Helder Júnior, enviado especial Fortaleza (CE)

Escolhido para entrar no lugar de Hulk, que sentiu incômodo muscular, Ramires pareceu ter dificuldades para entender se atuaria como volante ou meia, pouco apareceu no empate sem gols diante do México e ainda recebeu cartão amarelo no fim do primeiro tempo. Por medo de vê-lo expulso, Luiz Felipe Scolari preferiu tirá-lo no intervalo para colocar Bernard, mas o jogador do Chelsea garante que foi obediente.

“Fiz o que o professor me pediu, tentando ajudar o meio-campo, na transição e na defesa. Só executei o que ele me pediu. Quem deve avaliar é o professor”, comentou Ramires, preferindo não se analisar publicamente. O meio-campista, no entanto, volta a ter desempenho apático como no amistoso diante do Panamá, quando substituiu Paulino e também foi sacado no intervalo, em Goiânia.

Um dos destaques do Chelsea na última temporada europeia, Ramires foi utilizado nesta terça-feira para Scolari saber se ele pode ser uma alternativa tática na Copa do Mundo. O volante formou um trio de marcadores no meio-campo com Luiz Gustavo e Paulinho e o técnico acabou confirmando que Ramires é um dos maiores riscos de cartão em campo.

AFP
Ramires começou como titular no lugar de Hulk e foi substituído no intervalo por medo de expulsão
“Tirei o Ramires pelo cartão porque ele é impetuoso. Como o jogo estava muito dividido, o Ramires, em sua impetuosidade, poderia fazer uma jogada e o juiz achar que é falta para cartão. Aí, perderíamos o jogo, que estava razoavelmente controlado. Em princípio, foi por essa situação”, explicou o treinador.

Felipão estava certo de que era necessário usar a correria de Bernard no segundo tempo e, por conta do cartão, abriu mão de Ramires. “O Bernard abre, tem mais velocidade, e queríamos ter essa opção contra o México”, justificou.

Restou a Ramires, evitando avalições de si mesmo, elogiar o time coletivamente. “É claro que a gente esperava a vitória, mas a atuação não foi ruim. Enfrentamos um adversário que dificultou muito o jogo para o Brasil, com um goleiro inspirado”, comentou o meio-campista, falando de Ochoa, autor de quatro grandes defesas.