Atletismo/Bastidores - ( - Atualizado )

Juliana da Silva Moreira é novamente pega no doping e segue suspensa

São Paulo (SP)

Nesta sexta-feira, a Confederação Brasileira de Atletismo informou que a atleta Juliana da Silva Moreira foi, novamente, pega no exame antidoping e seguirá suspensa de qualquer atividade relacionada ao esporte. A corredora estava cumprindo uma suspensão de dois anos, que terminaria em maio de 2014, mas, de acordo com exames realizados por uma laboratório credenciado da Wada/Iaaf, em Montreal, no Canadá.

Ainda de acordo com o comunicado, foi detectada a presença da substância proibida “Stanozolol – Metabólicos”. Juliana se justificou à Confederação em abril, mas as desculpas não foram aceitas e a atleta dispensou o segundo exame e não tem mais tempo para recorrer.

Em 2012, a velocista foi suspensa por dois anos após ter sido pega no exame antidoping testando positivo para a substância proibida Methandienone em urina coletada no GP Brasil de atletismo, no Rio de Janeiro.

Confira o comunicado oficial da CBAt:

“A Confederação Brasileira de Atletismo lamenta informar que recebeu da IAAF, em 23 de abril de 2014, comunicado de que o laboratório credenciado pela WADA/IAAF, com sede em Montreal, Canadá, comunicou aquela entidade que identificou na amostra de urina “A” da atleta Juliana da Silva Moreira (SP), coletada no dia 28 de março de 2014, na cidade de São Paulo, SP, durante teste fora de competição conduzido pela própria IAAF, a presença da substância proibida “Stanozolol – Metabólicos”; a atleta na data dessa coleta estava cumprindo período de inelegibilidade por dois anos, por infração de dopagem, pena essa aplicada pelo STJD do Atletismo, que findaira em 20 de maio de 2014

Em conformidade com o disposto nas normas da WADA/IAAF, a atleta foi comunicada em 23 de abril de 2014 do resultado analítico adverso na amostra “A” de sua urina, coletada conforme acima, pela CBAt tendo apresentado suas justificativas no dia 30 de abril de 2014 as quais não foram aceitas pela CBAt, conforme comunicado a atleta em 26 de maio de 2014. A atleta abriu mão do exame da amostra “B” de sua urina. Em função desses fatos, a CBAt emitiu Portaria nesta data suspendendo a atleta provisoriamente a partir de 21 de maio de 2014, tendo a mesmo 14 dias a contar desta mesma data, para solicitar seu julgamento pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) da CBAt, ainda em conformidade com as Regras da IAAF”.