Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Bélgica desencanta na prorrogação e volta às quartas após 28 anos

Salvador (BA)

A atual ‘geração belga’ chegou muito badalada ao Brasil, não se apresentou bem nos primeiros jogos, mas já recolocou o país de volta às quartas de final da Copa do Mundo após 28 anos. Nesta terça-feira, na Arena Fonte Nova, em Salvador, a Bélgica finalmente fez uma apresentação convincente. Com velocidade, o time europeu dominou os Estados Unidos, mas perdeu muitos gols ao longo dos 90 minutos e precisou da prorrogação para vencer por 2 a 1 e avançar na competição.

A salvação veio apenas no início do tempo extra. Lukaku saiu do banco de reservas, começou a jogada pela esquerda e cruzou rasteiro para De Bruyne. O meia teve habilidade para sair da marcação e chutar ao fundo do gol, vencendo o goleiro Howard, que iria se consagrando até então. Depois de desencantar, ainda sobrou tempo para Lukaku também deixar sua marca. Já no final da prorrogação, Green conseguiu descontar para os Estados Unidos.

Com a vitória sofrida desta terça-feira, a badalada ‘geração belga’ consegue recolocar o país nas quartas de final da Copa do Mundo, feito que não era conquistado desde 1986, ano de melhor campanha da seleção (4º lugar). Na próxima fase, o adversário será a Argentina, que também precisou da prorrogação para eliminar a Suíça com uma vitória por 1 a 0. O duelo está marcado para o próximo sábado, às 13 horas (de Brasília), no Estádio Mané Garrincha.

Edson Ruiz/Gazeta Press
Após atuações criticadas, a 'geração belga' jogou bem nesta terça-feira e eliminou os Estados Unidos da Copa

Para mostrar a que veio

Após uma primeira fase com um futebol apresentado abaixo das expectativas, mesmo com três vitórias conquistadas, a seleção belga tinha mais uma chance de mostrar que esta nova geração realmente merece o destaque que vem sendo dado. Desta forma, os europeus não tomaram conhecimento do adversário desde os primeiros minutos da partida.

Logo no lance inicial de ataque, De Bruyne descolou belo passe para Origi no lado direito, o atacante invadiu a área, bateu cruzado rasteiro e o goleiro Howard fez bela defesa. Era possível perceber, portanto, que não seria tão difícil envolver os zagueiros norte-americanos, que se atrapalhavam ao tentarem marcar o trio de meias belgas que se movimentavam na intermediária.

Sem a mesma habilidade do adversário, os Estados Unidos eram mais objetivos quando chegavam ao ataque, procurando definir as jogadas de forma rápida. Sendo assim, aos 21 minutos, Bradley escapou em velocidade, foi desarmado pela zaga, mas a bola ficou com Dempsey, que, usado como centroavante na partida, bateu colocado e viu Courtois fazer boa defesa.

A resposta da Bélgica foi praticamente imediata. Com facilidade para trabalhar a bola no ataque, o time europeu chegou com perigo pelo lado esquerdo, De Bruyne arriscou de fora e levou perigo ao gol de Howard. Mais tarde, em boa trama pelo mesmo setor, Vertonghen invadiu a área, fez o cruzamento rasteiro procurando Origi, mas Beasley chegou antes para cortar.

O primeiro tempo seguia movimentado, com maior domínio dos belgas, mas os norte-americanos ainda conseguiam chegar com perigo em lances isolados. Aos 33, após cobrança de escanteio, Dempsey matou no peito com categoria, driblou o marcador e rolou para trás. Jermaine Jones emendou o chute com força, mas a bola saiu à direita do seguro goleiro Courtois.

Edson Ruiz/Gazeta Press
Destaque do time norte-americano, o goleiro Howard fez lindas defesas e conseguiu parar o ataque belga

O paredão Howard

A etapa complementar começou de forma semelhante ao que pôde ser visto no início do jogo. Com maior responsabilidade de balançar as redes, a Bélgica teve mais uma grande chance no primeiro minuto. De Bruyne recebeu na direita, fez o cruzamento com efeito para o meio da área, Mertens desviou de cabeça e quase encobriu Howard, mas o goleiro se recuperou e fez bela defesa.

Se o time norte-americano mostrou reação na primeira etapa, o cenário foi completamente diferente no segundo tempo. Melhor em campo, a Bélgica seguiu no campo de ataque e quase marcou aos 10, porém Origi furou ao tentar completar o cruzamento de Verthongen. Um minuto depois, o atacante teve a chance de se redimir, mas o desvio de cabeça carimbou o travessão de Howard.

A pressão belga continuou nos minutos seguintes. Bastante acionado no lado esquerdo, o lateral Verthongen preferiu arriscar direto para o gol e levou perigo à meta norte-americana aos 12. Mais tarde, Origi recebeu na área, saiu da marcação, cruzou rasteiro para o meio, Mertens desviou de letra e a bola passou muito perto da trave. Após o lance, o jogador do Napoli deu lugar a Mirallas.

A primeira alteração de Marc Wilmots não diminuiu o ímpeto ofensivo dos belgas, que seguiram ‘bombardeando’ o gol de Howard. Aos 24, Witsel arriscou de longe e tirou tinta da trave norte-americana. Dois minutos mais tarde, Mirallas partiu com a bola dominada, ganhou de dois marcadores, foi desarmado, mas a sobra ficou com Origi. O atacante bateu firme e parou no goleiro adversário.

Para tentar aliviar a pressão, Dempsey fez jogada individual no ataque norte-americano, arriscou de fora da área e Courtois fez boa defesa. A resposta da Bélgica não demorou. Mirallas recebeu lindo passe de Origi, invadiu a área com liberdade, bateu cruzado e Howard usou os pés para mandar à linha de fundo. Os Estados Unidos não mostravam reação e pareciam rezar pelo fim do jogo.

Antes do apito final, no entanto, a Bélgica seguiu chegando com perigo. Aos 40, Origi girou sobre a marcação, emendou o chute de fora da área e Howard voou para espalmar à linha de fundo. Já no fim, Kompany se aventurou ao ataque, mas não teve categoria para desviar ao fundo das redes. A última chance do tempo normal, no entanto, foi norte-americana, mas Wondolowski perdeu na pequena área.

Edson Ruiz/Gazeta Press
O atacante Lukaku entrou após o término do tempo regulamentar e foi decisivo para a vitória da Bélgica

Tanto bate até que...

Depois de ver sua equipe abusar de perder gols, Marc Wilmots resolveu trocar o seu centroavante para a prorrogação. Lukaku passou a ocupar a vaga de Origi e ajudou a resolver o jogo com apenas três minutos em campo. O atacante escapou pela direita, fez o cruzamento rasteiro para De Bruyne, que saiu do marcador, bateu cruzado e finalmente venceu o goleiro Howard.

Mesmo com o gol marcado, a Bélgica seguiu no campo de ataque, voltou a perder mais duas oportunidades, mas o inspirado Lukaku ainda conseguiu deixar sua marca. Responsável por mudar o jogo, o atacante inverteu de papeis com De Bruyne, recebeu o passe do meia e finalizou para o fundo das redes. O gol deixava o time europeu muito perto das quartas de final.

No início da segunda etapa da prorrogação, porém, os Estados Unidos quiseram dar mais emoção ao confronto na Fonte Nova. Em seu primeiro toque na bola, Green foi acionado dentro da área e teve categoria para colocar ao fundo das redes. A torcida então passou a acreditar, o jogo ficou ainda mais movimentado e o final, com os dois times cansados, foi eletrizante.

Aos 4, Wondolowski ajeitou de cabeça para Jones, que emendou chute forte e a bola passou muito perto do gol belga. A resposta veio com Lukaku, que desta vez parou na ‘muralha’ Howard. Já aos 9, os Estados Unidos voltaram a ter chance de empatarem quando Dempsey aproveitou o cruzamento e obrigou boa defesa de Courtois. O goleiro ainda voltaria a trabalhar antes do fim, garantindo a classificação de seu país.