Copa do Mundo 2014/ Estados Unidos - ( - Atualizado )

Duelo com a Bélgica faz futebol ter seu recorde de audiência nos EUA

São Paulo (SP)

Mais de 24,6 milhões de norte-americanos viram o duelo contra a Bélgica, na última terça-feira, pelas oitavas de final da Copa do Mundo. O jogo que foi decidido só na prorrogação, com vitória belga por 2 a 1, alcançou o número mais expressivo quando o assunto é audiência televisiva no futebol. Dados que mostram o crescimento do esporte em um país, que antes era visto como berço de outras modalidades, como basquete, futebol americano e beisebol.

Um dos responsáveis pela boa campanha dos sobrinhos do “Tio Sam” no Mundial, e consequentemente do aumento do número de pessoas que acompanham o futebol no país norte-americano, o técnico alemão Jüergen Klinsmann não escondeu o orgulho ao falar sobre o tema.

“Estamos muito animados em ver o futebol quebrando recordes de audiência e alcançando reconhecimento nos EUA. Pessoas vendo nas televisões, indo à Fan Fests. Nós inspiramos um país, inspiramos fãs a se divertirem com esses jogos dramáticos, cruzar os dedos, viver emoções positivas e, às vezes, negativas. Os jogadores devem estar orgulhosos de tudo o que fizeram”, festejou Klinsmann, que vai continuar no cargo de treinador dos Estados Unidos.

Michael Kammarman, porta-voz da seleção norte-americana, disse que essa interação entre torcedores e jogadores faz bem para o esporte no país: “As pessoas se importam cada vez mais com o jogo, dão opiniões sobre tudo, interagem. Isso faz os jogadores se sentirem mais importantes. O jogo cresceu muito. Agora todos se importam, colocam suas opiniões nas redes sociais. Queremos que continue assim”.

AFP
Os comandados do técnico Jürgen Klinsmann chegaram às oitavas de final e jogo bateu recorde de audiência do esporte nos Estados Unidos

Outro termômetro importante do crescimento do futebol nos Estados Unidos é a Major League Soccer (MLS), a liga americana de futebol. Klinsmann ainda falou sobre a aproximação que o campeonato nacional vem conquistando dos importantes torneios europeus: “A relação com a MLS é muito importante e muito boa. Aos poucos, ajustamos os calendários e ficamos mais próximos da Europa e outros grandes centros. Hoje, seleção e liga estão caminhando na mesma direção”.

A seleção do “Tio Sam” tem a Copa Ouro, em 2015, e a Copa América, em 2016, como seus próximos desafios. Essa última competição, inclusive, acontecerá em solo norte-americano e será feita em homenagem ao centenário do torneio.