Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Ney Franco segue com problemas e sofre para montar Flamengo

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

O técnico do Flamengo, Ney Franco, comandou uma atividade tática na manhã desta terça-feira, no Ninho do Urubu, no Rio de Janeiro (RJ). O treinador vem trabalhando no sentido de encontrar a formação ideal para o retorno do Campeonato Brasileiro. Porém, ainda vem sofrendo com alguns problemas médicos e também tem dúvidas em algumas situações.

Nesta terça-feira, o treinador adotou mais uma vez o esquema com três zagueiros. Wallace, Chicão e Samir terão a missão de proteger a meta defendida por Paulo Victor, que deverá seguir entre os titulares. Felipe não conta com tanta confiança do treinador, e segue no departamento médico com dores na costela. A formação da zaga deixa evidente que o equatoriano Erazo é cada vez mais carta fora do baralho, mesmo tendo feito uma Copa do Mundo regular pelo Equador. Na manhã desta terça-feira, o jogador treinou entre os reservas e como atacante, o que gerou a brincadeira de alguns companheiros.

Nas laterais, Leonardo Moura e André Santos estão mantidos. O primeiro é homem de confiança de Ney Franco, já que é o único jogador remanescente da primeira passagem do treinador pela Gávea, entre 2006 e 2007. Já André Santos, que chegou a ser dado como dispensável, voltou a ganhar o respeito do comandante por conta de uma séria conversa que tiveram na reapresentação do elenco. O jogador se comprometeu a se esforçar e se entregar em campo para ajudar o Flamengo a se recuperar no Campeonato Brasileiro, onde o time aparece na penúltima colocação, à frente apenas do lanterna Figueirense.

No meio-de-campo, Ney Franco armou o setor com Recife, Elano e Everton. Mas desses três, apenas o último parece ter escalação garantida. Isso porque Recife só treinou entre os titulares porque o paraguaio Víctor Cáceres segue entregue ao departamento médico, se recuperando de uma fratura na mão esquerda. Já Elano foi trocado pelo volante argentino Héctor Canteros no meio da atividade. É possível que Ney Franco encontrE um lugar no time para argentino recém-contratado pelo rubro-negro. No ataque, Paulinho e Alecsandro foram os escolhidos, mesmo com Hernane livre de dores no tornozelo direito. O Brocador trabalhou entre os reservas. Assim, o time que iniciou o treino tático teve: Paulo Victor, Wallace, Chicão e Samir; Leonardo Moura, Recife, Elano, Everton e André Santos; Paulinho e Alecsandro.

Divulgação/Flamengo
Ney Franco comandou treino tático vencido pelos reservas nesta terça-feira: 4 a 1

O problema em relação a este time é que o desempenho não foi dos melhores e os reservas golearam por 4 a 1, com gols de gols de Hernane, Nixon, Negueba e Erazo. Mattheus, que ingressou nos titulares no fim da atividade, fez o gol de honra do time principal. Mais uma vez Ney Franco não pôde contar com o meia Gabriel, que vai se submeter a uma cirurgia no nariz. O lateral direito Léo, com dores musculares na coxa direita, e o meia argentino Lucas Mugni, que no treino de segunda-feira recebeu uma pancada no joelho direito, permaneceram no departamento médico.

Nesta quarta-feira o elenco treina na parte da manhã e Ney Franco deverá ser informado quais serão os adversários nos jogos-treinos previstos para a tarde de sexta-feira e para a manhã de sábado. Fora de campo a diretoria segue procurando receitas para conseguir colocar em dia o salário dos jogadores, que se encontra em atraso desde a última sexta-feira. Ainda não há previsão de solução.

MUDANÇA

Se dentro de campo o resultado não é dos melhores, fora dele segue complicado. Plínio Serpa Pinto entregou nesta terça-feira o cargo de vice-presidente de relações externas do Flamengo e será substituído por Michel Assef. A mudança surpreendeu a todos, já que Plínio parecia ter vencido a disputa interna com seu principal desafeto, Wallim Vasconcellos, que no início de junho deixou o cargo de vice-presidente de futebol. Plínio é um dos principais aliados do ex-presidente Kléber Leite e do atual vice-presidente de Marketing, Luiz Eduardo Baptista. Os três lideram uma das correntes políticas mais influentes na Gávea.