Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Sem caçar James Rodríguez, Brasil se alivia por parecer com Colômbia

Fortaleza (CE)

Após passar nos pênaltis pelo Chile, rival que gerava temor em Luiz Felipe Scolari há seis meses por não ter um jogo que “encaixa” com o Brasil, os anfitriões da Copa do Mundo respiram aliviados com o adversário nas quartas de final. A Colômbia recebe elogios por gostar de jogar com a bola no pé e, exatamente por isso, pode trazer menos dificuldades à Seleção nesta sexta-feira.

“É bom enfrentar uma equipe que vem para cima e joga tecnicamente. Essa qualidade deles de querer jogar nos ajuda porque o jogo fica muito aberto. Nós, zagueiros, temos que colocar na cabeça de, no momento em que formos dominados, não sofrermos gols porque, dois, três minutos depois, controlaremos o jogo e podemos matar. Ter um pouco mais de espaço e liberdade para jogar é melhor”, definiu Thiago Silva.

Mesmo James Rodríguez, artilheiro do Mundial com cinco gols, não terá nenhum perseguidor particular no Castelão. “Vamos marcar a Colômbia. Não vejo nenhum time marcando em especial qualquer jogador nesta Copa, com exceção de um ou dois jogos. Também não vamos fazer isso, vamos marcar por setor, como sempre”, avisou Felipão, fã do oponente.

“Gosto de ver a Colômbia jogar. É muito bem organizada, tem jogadores com boa disciplina tática e qualidade técnica. Nada diferente do meu time. Da mesma forma que falo para o Thiago ‘pelo amor de Deus, marque o fulano porque ele é bom na bola aérea’, o (técnico da Colômbia, José) Pekerman, do outro lado, está dizendo que ‘fulano dribla aqui’”, apostou o treinador brasileiro.

Wagner Carmo/Gazeta Press
Após jogo que "não encaixa" contra Chile, Felipão mostra alívio contra Colômbia ao elogiar o adversário
Embora tenha balançado as redes 11 vezes em quatro jogos, a Colômbia só sofreu dois gols, como o Brasil, que marcou oito. “A Colômbia tem um time muito parecido conosco, com uma escola praticamente igual, gostam de jogar muito bem tecnicamente. E estão bem postado atrás com um zagueiro que jogou comigo e adoro, o Yepes, que passa muita experiência. Também conheço o Zapata e o cabeça de área (Aguilar), que joga no Toulouse. Todos formam uma defesa bem coesa”, elogiou Thiago Silva.

Apesar das similaridades, o adversário do Brasil, claro, está longe de ser considerado imbatível. “Vai ser um bom jogo de futebol. Respeitamos e admiramos a Colômbia, mas sabemos que temos qualidade para lhe causar bastante dano”, indicou Scolari.