Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Vexame do Mineirão supera 1950 e é a maior derrota da história

Marcos Vieira, especial para a GEnet Belo Horizonte (MG)

Nem o mais otimista dos torcedores alemães esperava um triunfo tão expressivo sobre o Brasil, na tarde desta terça-feira, em partida válida pelas semifinais da Copa do Mundo. O placar de 7 a 1 aplicado pelos comandados de Joachim Low, no Estádio Mineirão, em Belo Horizonte-MG, superou a maior derrota sofrida na história canarinha.

Antes disto, o revés mais amargado pela equipe verde e amarela ocorreu no Campeonato Sul-americano de 1920, quando o Uruguai triunfou por 6 a 0. Os destaques do massacre celeste foram Romano e Pérez, cada um com dois gols. Urdinaran e Cámpolo também foram às redes.

Na ocasião, a equipe verde e amarela, formatada pelo técnico Sylvio Lagreca, foi a campo com a seguinte formação: Júlio Junts; José de Almeida e Japonês; Augusto, Agostinho, Álvaro e Alexandre; Durval, Ismael, José Carlos Guimarães e Cypriano. A campanha brasileira no torneio ainda registra uma derrota para a Argentina (2 a 0) e uma vitória sobre o Chile (1 a 0).

Em Copas, o maior marcador sofrido pelo Brasil ocorreu final do Mundial de 1998, quando a anfitriã França aplicou o placar de 3 a 0 e ficou com o título. Na ocasião, as redes do inflamado Stade de France foram balançadas por Petit e Zidane, duas vezes.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
As lágrimas de Júlio César se multiplicaram nas arquibancadas do Mineirão: nunca o Brasil foi tão goleado
Entretanto, a capital de Minas Gerais não foi a única cidade a presenciar o Brasil sofrendo cinco gols em Copas. Em 1938, Estrasburgo-FRA foi palco do duelo entre canarinhos e poloneses, válido pelas oitavas de final do torneio. Na ocasião, a equipe comandada por Ademar Pimenta triunfou por 6 a 5. O grande destaque da classificação, conquistada na prorrogação, foi Leônidas da Silva, que balançou as redes em três oportunidades. Romeu e Perácio (duas vezes) fecharam a conta.

Em solo francês, a representação verde e amarela também conseguiu superar um carrasco: o atacante Wilimowski, que superou o goleiro Batatais quatro vezes, duas a mais que Kroos e Schurrle, artilheiros da histórica classificação germânica para a decisão de 2014.

A construção da goleada alemã

Em apenas 28 minutos, a Alemanha já vencia o apático Brasil por 5 a 0. Thomas Muller, Klose – que com o tento se tornou o maior artilheiro da história das Copas, com 16 gols, superando Ronaldo –, Khedira e Kroos (duas vezes). A quantidade de redes balançadas no Mineirão em tão pouco tempo superou o recorde pertencente a uma amarga eliminação para a Espanha, no Mundial de 1934.

Na ocasião, atuando no estádio genovês Luigi Ferraris, os canarinhos saíram perdendo por 3 a 0 no mesmo intervalo de tempo, com gols de Iraragorri e Lángara, duas vezes. Leônidas da Silva descontou para os verde e amarelos, mas não havia mais tempo para buscar a classificação às quartas de final. Curiosamente, o árbitro da partida foi um alemão: Alfred Birlem.