Futebol/Copa Sul-americana - ( )

Brasil começa busca pelo terceiro título da Copa Sul-americana

Rio de Janeiro (SP)

O futebol brasileiro começa a sua participação na Copa Sul-Americana de 2014 nesta quarta-feira e oito times tentam dar ao nosso país o terceiro título na história da competição. Dentre as equipes canarinhos, apenas o Internacional, na edição de 2008, e o São Paulo, em 2012, sentiram o gostinho de levantar a taça. Dessa vez a missão caberá ao próprio Colorado, que enfrenta o Bahia nesta quarta, além de São Paulo, Fluminense, Goiás, Criciúma, Vitória e Sport.

A Copa Sul-Americana demorou a cair no gosto dos principais clubes, já que tinha poucos atrativos. Apenas após a conquista da vaga na Copa Libertadores, o que aconteceu a partir da edição de 2010, que o torneio ganhou corpo: “É natural que a conquista da vaga na Copa Libertadores aumentasse o grau de interesse. O torneio financeiramente é viável e os clubes ganham muito com eles. Porém, faltava alguma atração técnica”, disse o paraguaio Juan Ángel Napout, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol).

Além da vaga na próxima Copa Libertadores, o campeão da Copa Sul-Americana disputa a Recopa Sul-Americana, com o ganhador da Libertadores, e a Copa Suruga Bank, diante do campeão japonês.

O HISTÓRICO DOS BRASILEIROS

Na primeira edição da Copa Sul-Americana, em 2002, o Brasil não enviou representantes. Isso porque naquela ocasião o Campeonato Brasileiro ainda era decidido no sistema de mata-mata e a CBF alegou que o calendário nacional estava apertado. Por isso os brasileiros iniciaram sua participação no torneio apenas em 2003 e quem foi mais longe foi o São Paulo, eliminado pelo River Plate nas semifinais. Após perder por 3 a 1 em Buenos Aires o Tricolor paulista ganhou por 2 a 0 no Morumbi, num jogo polêmico e de troca de agressões entre os atletas. Nos pênaltis o River Plate ganhou por 4 a 2.

No ano seguinte, em 2004, o melhor representante brasileiro veio do Sul. O Internacional começava a montar o time que seria campeão da Libertadores e mundial dois anos depois. Mas na Sul-Americana caiu nas semifinais, perdendo para o Boca Juniors por 4 a 2 na Argentina e conseguindo apenas um empate sem gols no Beira-Rio. O time argentino se sagraria campeão. Em 2005 os brasileiros não passaram das quartas-de-final, assim como no ano passado.

O Atlético-PR chegou as semifinais de 2006, mas acabou eliminado pelo Pachuca, do México, que conquistaria o título. Naquela ocasião os paranaenses perderam por 1 a 0 na Arena da Baixada e na tentativa de inverterem o resultado em território mexicano acabaram goleados por 4 a 1. O título enfim sorriu para os brasileiros em 2008, quando o Internacional, liderado pelo técnico Tite e com um timaço em campo, que contava com peças como o meia argentino D´Alessandro e o atacante Nilmar, foi soberano, derrotando o Estudiantes na final.

Em 2009 o Brasil chegou mais uma vez à decisão. Dessa vez com o Fluminense, liderado pelo técnico Cuca e com uma equipe que ficou conhecida como "time de guerreiros", já que evitou um rebaixamento dado como impossível naquele Brasileirão. Curiosamente a final foi contra a LDU, do Equador, com quem os tricolores tinham cruzado na decisão da Copa Libertadores de 2008, que terminaria com triunfo equatoriano. E o filme se repetiu mais uma vez, com uma goleada da LDU por 5 a 1 na ida. No duelo de volta, no Maracanã e com direito a uma expulsão do atacante Fred, o time do Equador perdeu por 3 a 0, mas mesmo assim deu a volta olímpica.

Novamente o Brasil se fez representar na decisão de 2010 e pelo surpreendente Goiás, que foi rebaixado no Brasileirão, mas conseguiu fazer bonito no torneio continental. Os goianos, que tinham eliminado o Palmeiras de Luiz Felipe Scolari nas semifinais, venceram o confronto de ida da decisão contra o Independiente, por 2 a 0. Mas na volta, na Argentina, os brasileiros perderam por 3 a 1, sendo superados também nas cobranças de pênaltis. Em 2011 o Vasco chegou às semifinais, mas acabou eliminado.

Em 2012 o Brasil conquistaria seu segundo título, por meio do São Paulo. O Tricolor, então dirigido por Ney Franco, arrancou empate sem gols com o Tigre, na Argentina, e ganhou por 2 a 0 na volta, no Morumbi, em jogo que ficou marcado por um duelo campal entre argentinos e policiais. Na edição passada, em 2013, a Ponte Preta, então rebaixada no Brasileirão, surpreendeu ao chegar à final, mas caiu diante do Lanús, da Argentina.

Abaixo as melhores colocações do futebol brasileiro no histórico da competição:

2002 - Não houve participação do Brasil
2003 - São Paulo eliminado nas semifinais
2004 - Internacional eliminado nas semifinais
2005 - Internacional, Corinthians e Fluminense eliminados nas quartas-de-final
2006 - Atlético-PR eliminado nas semifinais
2007 - Vasco e São Paulo eliminados nas quartas-de-final
2008 - Internacional, campeão
2009 - Fluminense, vice
2010 - Goiás, vice
2011 - Vasco, eliminado nas semifinais
2012 - São Paulo
2013 - Ponte Preta, vice

ARGENTINA DOMINA

Se o Brasil tem apenas dois títulos na Copa Sul-Americana, a Argentina é o grande papão da competição. Das 12 edições disputadas até aqui o título ficou na mão dos argentinos em seis ocasiões, sendo o Boca Juniors o maior campeão, com duas conquistas. San Lorenzo, o primeiro vencedor, e Arsenal, o atual campeão, Independiente e Lanús também já sentiram o gostinho de erguer a taça.

Fora a Argentina e o Brasil apenas quatro países ganharam a Copa Sul-Americana. São eles o Peru, com o surpreendente Cienciano em 2003, o México, com o Pachuca em 2006, a LDU, na edição de 2009, e a Universidad de Chile, em 2011. Abaixo a relação de campeões:

2002 - San Lorenzo-ARG - Atlético Nacional-COL - 4x0 e 0x0
2003 - Cienciano-PER - River Plate-ARG - 3x3 e 1x0
2004 - Boca Juniors-ARG - Bolívar-BOL - 0x1 e 2x0
2005 - Boca Juniors-ARG - Pumas-MEX - 1x1 e 1x1 (4x3)
2006 - Pachuca-MEX - Colo Colo-CHI - 1x1 e 2x1
2007 - Arsenal-ARG - América-MEX - 3x2 e 1x2
2008 - Internacional-BRA - Estudiantes-ARG - 1x0 e 1x1
2009 - LDU-EQU - Fluminense-BRA - 5x1 e 0x3
2010 - Independiente-ARG - Goiás-BRA - 0x2 e 3x1 (5x3)
2011 - Universidad de Chile-CHI - LDU-EQU - 1x0 e 3x0
2012 - São Paulo-BRA - Tigre-ARG - 0x0 e 2x0
2013 - Lanús-ARG - Ponte Preta-BRA - 1x1 e 2x0