Futebol/Campeonato Brasileiro Série B - ( - Atualizado )

Decepcionado, Hélio dos Anjos considera derrota desastrosa

Goiânia (GO)

A derrota por 4 a 2 para o Sampaio Corrêa em pleno Serra Dourada atrapalhou os planos do técnico Hélio dos Anjos, que planejava encerrar o primeiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro sem perder de vista a zona de acesso à elite do futebol. Agora, o quarto lugar, Avaí, tem 31 pontos, seis a mais que o Atlético-GO, 10º colocado.

“Quanto ao resultado, foi catastrófico. Não dá para engolir um tipo de resultado desse, e não vou engolir. Na minha visão, era um jogo decisivo e passei isso a todos do grupo. Se a gente tivesse alcançado os 28 pontos no primeiro turno, o que seria possível com uma vitória, estaria no bolo de oito que disputam as quatro vagas no segundo turno. Agora ficamos distantes”.

O treinador também enfatizou que a equipe não conseguiu executar o que tinha planejado nos treinamentos. “Eu esperava já um Sampaio muito rápido, sabia que jogavam nessas condições. Preveni o time que teríamos que ter esse cuidado e treinei durante toda a semana. Na partida, foi o que eles exploraram: a velocidade dos seus jogadores. Não fomos capazes de repetir o que tínhamos nos preparado para fazer”.

Divulgação/Atletico-GO
O técnico Hélio dos Anjos lamentou o "indigesto" resultado contra o Sampaio Corrêa (Foto: Guilherme Salgado)

Hélio dos Anjos também declarou que não viu nenhum ponto positivo na partida. “Não gostei de nada nesse jogo. Não tivemos intensidade nem volume de jogo para um time que precisava virar um resultado. Se for olhar a partida a fundo, não fizemos nada ofensivamente. Só saímos para o jogo com as bolas cruzadas do Jonas, de resto, não produzimos nada”.

Apesar dos quatro gols sofridos, o comandante classificou o ataque como a maior falha do time. “Ofensivamente, fomos uma lástima. Nosso maior pecado não foi nem o de não criar chances, foi a falta de aproveitamento e as perdas de bola que originaram os contra-ataques para a transição rápida deles. O nosso ataque proporcionou cinco situações de ataque para o adversário. Foi nosso maior pecado”.