Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Drubscky aceita risco de desemprego e reforça meta modesta do Goiás

Goiânia (GO)

O técnico Ricardo Drubscky tem consciência de que a instabilidade do Goiás no Campeonato Brasileiro coloca em risco o seu emprego. Após mais uma derrota, desta vez por 5 a 2 para o Corinthians, ele encarou com conformismo uma pergunta sobre a ameaça de troca de comando na equipe.

“Quem está fazendo essa pressão é você, com a pergunta. Se a gente estivesse falando só sobre o jogo, não haveria pressão. Mas, se o assunto é esse, então existe pressão”, comentou Drubscky, lamentando a queda de produção do Goiás. “Começamos o período pós-Copa muito bem, com dois empates e uma vitória, mas os resultados pararam de vir depois.”

Experiente, Drubscky sabe que a diretoria poderá não ser tão paciente se ele não voltar a apresentar bons resultados. “Não estou aqui para dizer que sou imune à pressão. Não existe treinador que viva de derrotas no futebol brasileiro. Não quero falar que devo perder, permanecer no cargo e ser aplaudido. Conheço a cultura do futebol brasileiro, e isso não me afeta”, avisou.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Contra o Corinthians, o Goiás sofreu três gols do atacante Luciano e foi derrotado de virada
De qualquer forma, os jogadores do Goiás não precisam fazer muito para manter Ricardo Drubscky como treinador. A meta do time no Campeonato Brasileiro é modesta, como o próprio comandante faz questão de ressaltar.

“Não estamos aqui para ganhar de todo o mundo. O Goiás não é candidato ao título, à Libertadores, e sim para ficar no meio da tabela. Dizemos isso desde o início. Mas, como tudo é muito parelho, quem briga para estar no meio acaba brigando para não aparecer na parte de baixo”, alertou.

Por enquanto, a ameaça de rebaixamento ainda está distante. O Goiás ocupa a 11ª colocação, com 20 pontos ganhos. “Daqui para a frente, a gente luta para pontuar. Temos muitos jogos pela frente. Vamos pensar em briga para não cair depois. O grupo está chateado, de cabeça baixa. A gente precisa reverter”, concluiu Ricardo Drubscky.