Futebol/Amistoso - ( - Atualizado )

Dunga se apega à Copa do Mundo para abrir mão de centroavante

Rio de Janeiro (RJ)

Dunga não convocou nenhum jogador com as características de Fred, um dos mais contestados no fracasso brasileiro na última Copa do Mundo, para os seus primeiros amistosos como sucessor de Luiz Felipe Scolari. O técnico avisou que o torneio serviu de lição para não se apegar a centroavantes fixos na área, como fazia Mano Menezes.

“Vimos na Copa do Mundo que devemos refazer o nosso pensamento. Atacante é quem chega para fazer gol, independentemente de ser 9, 5 ou 3. A gente quer modernizar o futebol e fica muito preso a números”, discursou Dunga, que lembrou a mobilidade do alemão Thomas Müller no Mundial. “Ele começou como atacante de referência e depois jogou pela lateral.”

As apostas do treinador para compor o seu ataque nos amistosos contra Colômbia e Equador, em setembro, nos Estados Unidos, foram Hulk, Diego Tardelli e Neymar. O jogador do Atlético-MG, único que não estava no último Mundial, tem atuado mais recuado em sua equipe.

Mowa Press
Presidente da CBF, antes ferrenho defensor de Felipão, ouviu que centroavante não é imprescindível
Na armação, Dunga passou a contar com mais opções do que tinha Felipão. Além de Oscar e Willian, ambos do Chelsea, o treinador possui à disposição Everton Ribeiro e Ricardo Goulart, do Cruzeiro, e Philippe Coutinho, do Liverpool.

“Temos as possibilidades de jogar com ou sem um centroavante fixo, com atacantes mais abertos... Possuímos jogadores que podem fazer essas funções dentro desse grupo”, assegurou Dunga.