Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( - Atualizado )

Em jogo movimentado, Figueirense e Atlético-MG empatam no Scarpelli

Florianopolis (SC)

Atlético-MG e Figueirense tiveram a sequência de duas vitórias seguidas interrompida neste domingo, com um empate em 2 a 2, em jogo bastante movimentado. O duelo dos alvinegros foi realizado no estádio Orlando Scarpelli, e teve os mineiros saindo na frente no placar, mas os catarinenses reagiram e chegaram ao empate nos acréscimos.

O primeiro gol do jogo saiu logo aos sete minutos com o argentino Dátolo, que apareceu bem na área, e de cabeça mandou para as redes do Figueira, que empatou com um gol contra do zagueiro Leonardo Silva. No segundo tempo, Tardelli, em cobrança de pênalti, e Clayton no finalzinho voltou a empatar. O Galo foi aos 23 pontos contra 14 do time de Florianópolis.

Na sequência do Campeonato Brasileiro, o Atlético-MG terá compromisso contra o Flamengo, jogo marcado para a próxima quarta-feira, no Maracanã. Já o Figueirense também vai enfrentar um carioca, duelo contra o Botafogo, novamente no Orlando Scarpelli.

O jogo – Mesmo jogando fora de casa foi o Atlético-MG que tomou a iniciativa do jogo. Enquanto o Galo perseguiu o ataque com mais afinco, o Figueira apostou nos contra-ataques e nos erros do time mineiro. A defesa visitante se mostrou o setor mais preocupante dos atleticanos, com algumas falhas infantis, que não foram aproveitadas pelos catarinenses.

O maior empenho do Atlético-MG foi premiado logo aos sete minutos com o argentino Dátolo balançando as redes. Chamou a atenção no lance do gol a inversão de papeis na equipe do Galo. Jô estava na ponta esquerda e fez o cruzamento na cabeça do armador Dátolo, que sem ser incomodado mandou para as redes de Tiago Volpi.

A abertura do placar não fez o Galo diminuir o ritmo da partida. O time do técnico Levir Culpi seguiu atacando e com as rédeas do confronto. As bolas aéreas, ponto fraco da defesa do Figueirense, foi uma jogada bastante explorada pelos mineiros, que também usaram muito as laterais do campo, principalmente com Marcos Rocha.

A movimentação ofensiva dos atleticanos confundiu bastante os defensores do time da casa. Tardelli, Maicosuel, Dátolo e até o avante Jô inverteram posição em vários momentos da partida. A estratégia permitiu que o Galo criasse boas chances de dilatar o marcador no Orlando Scarpelli.

Em uma dessas oportunidades Tardelli recebeu lançamento preciso de Pedro Botelho, e na cara de Tiago Volpi perdeu gol feito. A resposta catarinense veio na jogada seguinte. Aos 24, Jean Carlos girou bem em cima da marcação de Jemerson e fez o cruzamento para a área, o zagueiro Leonardo Silva tentou cortar e fez contra, no primeiro ataque do Figueirense no jogo.

O gol de empate deixou o Figueira mais animado na partida. Com isso, o duelo que tinha a predominância do Galo passou a ficar mais equilibrado, com o Atlético-MG tendo mais dificuldades na criação das jogadas. Na volta para a etapa final, o técnico Argel Fucks deve ter dado uma bronca na equipe, porque o Figueirense passou a apresentar um futebol melhor, atacando bastante.

Preocupado com a postura agressiva dos donos da casa, o técnico Levir Culpi foi obrigado a compactar a marcação atleticana para evitar a virada no marcador. Após os 15 minutos, o time atleticano passou a criar um pouco mais, porém, sem a mesma liberdade do início da partida, tornando a partida disputada e difícil para ambos os lados.

A perda de rendimento obrigou o comandante do Galo a dar mais velocidade ao time, com as entradas de Luan e Marion. Aos 26, Alex Silva arrancou pela direita e foi derrubado dentro da área, o árbitro Felipe Gomes da Silva titubeou, mas marcou pênalti para o Atlético-MG. Tardelli foi para cobrança e deslocou o goleiro Tiago Volpi, recolando os visitantes na frente no placar.

Sem alternativa, o Figueirense foi com tudo para frente e obrigou Victor a trabalhar bastante para evitar o gol. Aos 46, o time catarinense chegou ao empate com Clayton, que aproveitou bate rebate dentro da área atleticana e mandou para as redes, enlouquecendo a torcida no Orlando Scarpelli.