Futebol/Campeonato Brasileiro Série B - ( - Atualizado )

Em São Januário, Vasco vê Avaí golear por 5 a 0 e crise se instaurar

Rio de Janeiro (RJ)

O Vasco foi surpreendido pelo Avaí e acabou goleado por 5 a 0, em partida disputada na tarde desta sábado, em São Januário. O resultado fez a equipe catarinense assumir, provisoriamente, a liderança do Campeonato Brasileiro da Série B, com 34 pontos ganhos, enquanto a equipe de São Januário caiu para a quinta posição, somando 32 unidades.

Desfalcado de Rodrigo (poupado), além dos suspensos Guiñazu, Kleber e Montoya, o Cruz-Maltino não conseguiu se encontrar em nenhum momento da partida, que encerrou o primeiro turno para ambos. A equipe carioca ainda desperdiçou uma penalidade máxima, com Douglas, quando já perdia por 2 a 0.

Revoltada com o resultado inesperado, a torcida mandante vaiou seus jogadores e pediu a saída do técnico Adilson Batista. A vitória expressiva e surpreendente premiou o desempenho do Leão, que soube se aproveitar dos erros da equipe carioca para conquistar sua maior vitória em gramados cariocas.

Na próxima rodada, os cariocas vão visitar o América-MG, no Independência. A representação da Ressacada vai receber o América-RN, na Ressacada.

O jogo 

Marcelo Sadio/Divulgação/Vasco da Gama
Fabrício protesta contra a arbitragem: o experiente volante não impediu a criação no setor de meio-campo avaiano
Mesmo desfalcado de vários titulares, o Vasco tentou impor um ritmo ofensivo desde os primeiros minutos. Os atacantes marcavam a saída de bola da equipe catarinense e obrigavam os zagueiros do Avaí a apelar para os lançamentos diretos para o ataque. Thales, substituto de Kléber, se colocava entre os zagueiros catarinenses, enquanto Guilherme Biteco de deslocava pelas laterais do campo.

Por causa dos passes errados, as duas equipes encontravam grande dificuldade para criar jogadas de ataque. Tanto que o primeiro chute a gol só aconteceu aos oito minutos, quando Diego Felipe aproveitou uma sobra da defesa para pegar de primeira e mandar a bola para bem longe da meta defendida por Martín Silva.

O time carioca não conseguia mostrar agressividade e poucas vezes chegava ao ataque. Aos 14 minutos, Dakson, sumido no jogo, tentou uma tabela com Fabrício pela direita, mas a bola acabou nas mãos do goleiro Vagner.

Só aos 19 minutos é que o time carioca chegou com real perigo ao gol do Avaí. Marrone errou na saída de bola e Douglas chutou rasteiro para Vagner praticar boa defesa. O lance animou a equipe dirigida por Adilson Batista que passou a pressionar em busca do primeiro gol. O Avaí não conseguia sair da defesa e apenas tentava bloquear as penetrações do adversário.

Aos 24 minutos, o lance mais emocionante do jogo. O goleiro Vagner saiu da área para cortar, de cabeça, um lançamento para Dakson. A bola subiu e o meia cruz-maltino, de bicicleta, mandou para o gol vazio, mas a bola passou bem perto da trave esquerda.

Aos 32 minutos foi a vez do goleiro Martín Silva sair da área para desarmar o atacante Paulo Sérgio que tentava dominar a bola,sem marcação. Mesmo sem jogar bem, o Avaí saiu na frente do marcador, aos 37 minutos. Após cobrança de falta, Paulo Sérgio escorou e Anderson Lopes, na pequena área, fuzilou sem dar chances ao goleiro Martín Silva.

Aos 41 minutos, o time de Santa Catarina ampliou, novamente em lance de bola parada. Após cruzamento na área, o goleiro Martín Silva se chocou com o zagueiro Douglas Silva e a bola sobrou para Diego Felipe, livre, tocar para o gol vazio.

O Vasco voltou para o segundo tempo com o atacante Rafael Silva no lugar de Guilherme Biteco. E, empurrado pela torcida, passou a pressionar em busca da reação, mas foi o Avaí que quase marcou o terceiro gol, aos cinco minutos, quando Marrone invadiu a área e tocou na saída de Martín Silva, mas o goleiro salvou com a ponta da chuteira.

O time de São Januário respondeu com dois chutes perigosos de Dakson e Lorran que passaram perto do gol defendido por Wagner. Enquanto o Vasco atacava, o Avaí se aproveitava dos avanços do adversário para acionar seus atacantes em jogadas rápidas. Aos dez minutos, em cobrança de falta de Dakson, Rafael Silva cabeceou para as redes, mas a arbitragem marcou impedimento para desespero dos jogadores da equipe carioca.

Marcelo Sadio/Divulgação/Vasco da Gama
Bem observado pela marcação catarinense, o meia Guilherme Biteco pouco produziu e teve atuação apagada
Aos 13 minutos, Lorran cruzou e Bocão,dentro da área, cortou com as mãos. O árbitro marcou pênalti e Douglas cobrou com chute forte no canto esquerdo,mas Vagner fez grande defesa,impedindo o primeiro gol do Vasco.

Irritada, a torcida vascaína passou a vaiar cada erro de passe cometido pela equipe carioca, o que deixou o time ainda mais nervoso. Douglas era o mais visado por causa do pênalti perdido.

Aos 18 minutos, Dakson bateu falta e Vagner espalmou para escanteio. O Avaí chegou ao terceiro gol, aos 20 minutos. Aranda derrubou Anderson Lopes na entrada da grande área. Diego Jardel bateu com grande categoria e colocou no ângulo esquerdo de Martín Silva que não esboçou qualquer reação.

Quando todos esperavam a entrada do meia Maxi Rodriguez, Adilson trocou o lateral-direito André Rocha pelo zagueiro Rafael Vaz. E antes que a mudança fizesse qualquer efeito, o Avaí marcou o quarto gol,aos 24 minutos, através de Diego Felipe que se aproveitou de uma jogada confusa na área carioca.

A partir desse momento, a torcida passou a hostilizar o técnico Adilson Batista, vaiar o time e gritar "olé" na troca de passes do time catarinense. Rafael Silva ainda desperdiçou uma grande oportunidade aos 33 minutos e ainda perdeu o zagueiro Luan, expulso por jogada violenta.

Aos 41 minutos, o Avaí marcou o quinto gol, através de Roberto, em cobrança perfeita de falta, sem chances para Martín Silva. Roberto ainda desperdiçou a chance de marcar o sexto gol, quando Roberto concluiu para fora. Nos minutos finais, a torcida carioca ficou de costas para o gramado, mas permaneceu xingando treinador, jogadores e dirigentes, até o apito final.

Marcelo Sadio/Divulgação/Vasco da Gama
O Vasco não fez valer o mando e acabou derrotado de forma humilhante pelo Leão, concorrente ao acesso