Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Estreando na Copa do Brasil, Cruzeiro 'usa a cabeça' para golear Santa Rita

Belo Horizonte (MG)

O torcedor do Cruzeiro que foi ao Mineirão nesta quarta-feira não esperava outro resultado se não uma goleada contra o desconhecido Santa Rita, de Alagoas. O time de Marcelo Oliveira não aliviou e correspondeu às expectativas, goleando por 5 a 0, com três tentos de cabeça, na estreia da Raposa na Copa do Brasil. Os mineiros vão em busca do pentacampeonato da competição nacional.

Em ritmo de treino, os mineiros abriram o placar com Marcelo Moreno. Não demorou muito para que os celestes voltassem a utilizar a artilharia aérea com Dedé e Júlio Baptista, que dilataram o placar ainda no primeiro tempo. Na etapa final Marcelo Moreno voltou a marcar e Henrique fechou a contagem. O Cruzeiro ainda precisa fazer o jogo de volta, mas o torcedor já pode esperar o vencedor de Vasco e ABC na próxima fase da Copa do Brasil.

O jogo de volta entre Cruzeiro e Santa Rita está marcada para a próxima quarta-feira, dia 3 de setembro, no estádio Coaracy Fonseca, em Arapiraca. Antes, porém, a Raposa terá compromisso pelo Campeonato Brasileiro, jogo sábado, contra a Chapecoense, na Arena Condá.

O jogo – O Santa Rita veio ao Mineirão para fazer o jogo mais importante da temporada, por isso, a equipe de Alagoas começou a partida priorizando a marcação forte para evitar o poderio ofensivo da Raposa. Sabedor da diferença técnica entre as equipes, os visitantes apostaram nos contra-ataques e conseguiram chegar ao gol de Fábio em algumas oportunidades.

A estratégia do Santa Rita evitou uma pressão cruzeirense nos primeiros minutos, mas sem fazer um jogo de sufoco, os mineiros chegaram ao gol de abertura do placar no primeiro lance de perigo. Aos sete minutos, Lucas Silva cruzou para a área e o boliviano Marcelo Moreno subiu mais que a zaga adversária e desviou para as redes.

Após o gol, o Cruzeiro passou a controlar a partida sem imprimir um ritmo intenso. O toque de bola cruzeirense se refletiu na posse de bola, que chegou a ser superior a 70%. Aos 15, Dagoberto teve ótima chance de ampliar, mas a finalização dentro da área explodiu nas luvas de Jeferson, que evitou o segundo gol dos mineiros.

Dois minutos depois Dedé mostrou como se faz. Cobrança de escanteio pela direita, o defensor da Raposa sobe no meio dos zagueiros do Santa Rita, e de cabeça dilata o marcador já sinalizando uma possível goleada. Em ritmo de treino, a sensação durante a partida era que o Cruzeiro poderia fazer mais gols se pressionasse um pouco mais.

Bastante a vontade em campo, toda vez que os donos da casa aceleravam o ritmo as oportunidades de gol apareciam. Foi assim com Marcelo Moreno e logo na sequência com Dagoberto e Lucas Silva, que desperdiçaram as chances criadas. Explorando a fragilidade do Santa Rita, o Cruzeiro roubava as bolas com extrema facilidade em verdadeiro treino de luxo.

O terceiro gol saiu aos 34, em nova jogada aérea que teve cruzamento perfeito de Mayke, na cabeça de Júlio Baptista, que sem ser incomodado mandou para as redes. O quarto gol só não saiu em nova cabeçada de Marcelo Moreno, porque o travessão salvou o goleiro Jeferson.

Após o intervalo o Cruzeiro voltou com o mesmo apetite do primeiro tempo, ou seja, controlando as ações e criando chances de gol, mesmo sem precisar se esforçar muito para construir as jogadas. Pelo lado do Santa Rita, o objetivo era apenas evitar uma goleada ainda maior, por isso, o goleiro Fábio foi muito pouco acionado.

Aos nove minutos, Lucas Silva resolveu experimentar um chute de fora de área, Jeferson não conseguiu segurar firme e deu rebote nos pés do avante Marcelo Moreno, que só teve o trabalho de empurrar para o gol fazendo o quarto tento celeste. Sem conseguir marcar as principais peças cruzeirenses, o time alagoano procurou evitar o tamanho do vexame, abdicando do ataque para segurar a derrota por pouco.

Após os 30 minutos, o time do Cruzeiro tirou o pé do acelerador e administrou o jogo, mas ainda teve tempo para aos 41, o volante Henrique fechar o placar em ótimo chute dentro da área, praticamente garantindo a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil.