Futebol/Copa do Brasil - ( )

Feliz com resultado de bronca, Lúcio quer vontade permanente de vencer

São Paulo (SP)

Lúcio cobrou caráter, expôs racha no elenco em termos de comprometimento, avisou que só metade do time corria e, no dia seguinte, o Palmeiras encerrou sequência de dez rodadas sem vitória no Brasileiro ao bater o Coritiba. A consequência da bronca tirou o clube não só da última posição, mas da zona de rebaixamento, o que alegrou o capitão. Porém, ainda não o satisfaz.

“Quando você corre, já demonstra sua vontade, que vem do coração, e isso já significa muito. Vontade de vencer é o que vem em primeiro lugar”, afirmou o zagueiro, que, ao lado do goleiro Fernando Prass, foi o único do elenco atual a aparecer na festa oficial do centenário do clube. E ouviu agradecimentos de conselheiros pela bronca pública que deu.

“Falei a verdade. Estávamos em último lugar e me sinto desconfortável em uma posição como aquela. Foi o que tentei transmitir e foi bom que todos entenderam minhas palavras. Não foram indiretas para ninguém e nem para denegrir a imagem de alguém, foi apenas para tentarmos uma reação, que foi boa, mas ainda muito pequena em um campeonato com tantos jogos e pequena por ser o Palmeiras”, afirmou.

O veterano lembra que mesmo os times milionários em que atuou mostraram vontade. “Sempre passei por times que correram muito, apesar de ter jogadores de grande qualidade e nível. O Palmeiras tem bons jogadores e precisa, a cada jogo, fazer o que fez no último: correr bastante. Enfrentamos equipes bem preparadas, mas o Palmeiras, principalmente dentro de casa, tem que se impor e prevalecer.”

Djalma Vassão/Gazeta Press
Capitão quer que sucesso do Palmeiras seja o foco do elenco e lembra que vitória de sábado ainda é pouco
Neste espírito, o jogador espera nova atuação briosa na noite desta quarta-feira, também no Pacaembu, onde o Verdão realiza o primeiro confronto diante do Atlético-MG válido pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

“Quando se entra em campo tem que se doar ao máximo, torcida exige o máximo e precisamos ter essa responsabilidade”, cobrou. “O ano ainda está em aberto, não foi nem metade do Campeonato Brasileiro, mas não vejo outro caminho a não ser lutar até o último jogo”, concluiu Lúcio, honrado por participar da temporada do centenário alviverde.