Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Nobre cita tentativa de implantar crise e trabalha à prova de protesto

São Paulo (SP)

Paulo Nobre viu torcedores irem à frente da sua casa, na noite de segunda-feira, e na manhã deste sábado para protestar contra o próprio presidente e exigir as saídas do diretor executivo José Carlos Brunoro, do gerente Omar Feitosa e de Valdivia. A manifestação na véspera do clássico fez o Palmeiras até mudar seu horário de treino, e o mandatário fala até em tentativa de colocar crise no clube.

“Pode ser Brunoro, Omar Feitosa, o presidente Paulo Nobre ou jogadores do elenco. È normal e tenho que lidar com isso Todos sabemos que não existe descanso e que o Palmeiras é um terreno fértil para tentarem implementar crises no clube. Nossa função é ter a cabeça tranquila e tocar o nosso trabalho da maneira que achamos correto”, disse o dirigente.

Nobre se manifestou pela primeira vez em meio aos protestos ao chegar ao Pacaembu neste domingo, antes do jogo contra o São Paulo. Fez questão de aparentar tranquilidade e de que as cobranças não alteram o seu criticado plano de trabalho até o final deste ano, quando ocorrerão eleições envolvendo sócios do clube.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Presidente Paulo Nobre se negou a avaliar se a manifestação da torcida foi justa ou injusta
“Não avalio a manifestação da torcida como justa ou injusta, não é meu papel fazer isso. Mas, na noite em que venci a eleição, respondi que a pressão começaria no dia seguinte. Não é hoje que tem pressão no Palmeiras, o Palmeiras tem pressão absolutamente sempre”, comentou, garantindo que Ricardo Gareca seguirá como técnico independentemente do Choque-Rei.

“È necessário tempo para o profissional desenvolver o trabalho dele. Sempre fiz o planejamento a longo prazo, mesmo antes de assumir o Palmeiras”, avisou. “Não penso em troca de técnico. Sempre que o Palmeiras não vence, é uma coisa que surpreende, mas confiamos no trabalho do Gareca, bem como o de toda a comissão técnica.”

O Palmeiras não vence há oito rodadas no Campeonato Brasileiro e, em cinco partidas sob o comando de Ricardo Gareca, somou apenas um ponto, exatamente a distância da equipe para a zona de rebaixamento. O clássico diante do São Paulo ocorre às 16 horas (de Brasília) deste domingo.