Centenário do Palmeiras - ( )

Palmeiras reivindica criação dos termos "corneteiro" e "acabou em pizza"

São Paulo (SP)

Fundado por italianos e seus descendentes em 1914, o Palmeiras reivindica duas contribuições à língua portuguesa. Os termos “corneteiro” e “acabou em pizza”, hoje utilizados de maneira corriqueira fora do âmbito esportivo, teriam surgido no clube que completa 100 anos no dia 26 de agosto.

As ferrenhas batalhas políticas travadas por seus dirigentes e conselheiros são peculiares à Sociedade Esportiva Palmeiras. A criação do termo “acabou em pizza” remete a uma reunião realizada pela diretoria do clube nos anos 1960, período em que o time conhecido como Academia de Futebol fazia história dentro do gramado.

Enquanto dirigentes e conselheiros discutiam intensamente, os jornalistas aguardavam do lado de fora, à espera do resultado do encontro. Após horas de acalorada reunião, realizada na gestão de Delfino Facchina, chegou-se a conclusão de que "tudo acabou em pizza".

O jornalista Milton Peruzzi, então repórter do jornal A Gazeta Esportiva, é considerado o principal responsável pela popularização da expressão, já que usou o termo de forma destacada ao noticiar a reunião da diretoria do Palmeiras no tradicional periódico.

Há teorias um pouco diferentes sobre o surgimento da expressão: os dirigentes teriam encomendado pizzas durante a discussão ou visitado uma pizzaria após o encontro. Mas todos concordam que o termo, hoje empregado fartamente para descrever o cotidiano improdutivo dos políticos em Brasília, foi consequência da reunião palmeirense.

Acervo/Gazeta Press
O termo corneteiro, hoje usado com frequência fora do ambiente esportivo, teria surgido no Palestra Itália
O surgimento do termo “corneteiro” também estaria ligado ao clube. Nos anos 1920-1930, época em que o Palestra Itália ainda não havia sido obrigado a mudar de nome, a fábrica de ferragens Cornetta era vizinha da sede. Os funcionários da empresa, durante os períodos de intervalo, costumavam acompanhar os treinamentos do time de futebol.

Desta forma, o termo “corneteiro” teria nascido a partir da associação dos comentários sobre a equipe feitos pelos funcionários com o nome da empresa. Assim como “acabou em pizza”, a expressão é atualmente usada em diferentes âmbitos, com a finalidade de designar uma pessoa crítica.

Em uma prova de que a cornetagem faz parte do DNA palmeirense, Luiz Felipe Scolari cunhou o termo “turma do amendoim” durante sua primeira passagem pelo clube, de 1997 a 2000, em alusão aos exigentes senhores que, sentados nas antigas numeradas cobertas do Palestra Itália, costumavam criticar o time enquanto comiam a iguaria.