Centenário do Palmeiras - ( )

Periquitos comemoram 60 anos e querem ídolo Marcos em novo show

São Paulo (SP)

Com a reforma do estádio Palestra Itália, a área social do Palmeiras vem passando por profundas transformações. Instalações emblemáticas, como o antigo salão nobre, foram demolidas para dar espaço à moderna arena multiuso que deve ser aberta em 2014. A tradição dos Periquitos em Revista, no entanto, permanece intacta. Com 60 anos recém-completados, o grupo pensa em convidar o ídolo Marcos para participar de seu novo show.

Veja galeria de fotos

O auto-intitulado “mais famoso espetáculo de patinação artística sobre rodas do Brasil” foi criado em 8 de junho de 1954 pelo comendador Hiada Torlay, pioneiro da modalidade no País. Formado por patinadores amadores do Palmeiras, o grupo permaneceu em atividade de maneira ininterrupta durante as últimas seis décadas, sempre com shows de caráter beneficente.

Em outubro de 1968, nos salões do antigo jornal A Gazeta Esportiva, os Periquitos em Revista receberam da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) a Gran Cruz de Mérito Social como reconhecimento pelas ações filantrópicas, guiadas pelo lema “Brincando e ajudando”. Na ocasião, o grupo ainda participou do 21º aniversário do tradicional periódico.

Maria Tereza Bellangero participou dos Periquitos em Revista como protagonista e, em 2001, assumiu a direção do departamento de patinação do clube – ela é mãe de Daniel Bellangero, técnico da equipe de hóquei do Palmeiras e da Seleção Brasileira. Já a coreografia e a direção artística do grupo estão a cargo de Marcello Massaini, filho de Oswaldo Massaini, produtor de O Pagador de Promessas, filme que venceu a Palma de Ouro em 1962.

Atualmente, o grupo é composto por 50 patinadores de cinco a 60 anos. Para comemorar o aniversário histórico, os Periquitos em Revista preparam um novo show, simbolicamente batizado de “Diamonds”. As exibições, incluídas no programa oficial de festejos pelo centenário do Palmeiras, serão realizadas no próprio clube nos dias 29 e 30 de novembro, talvez com um convidado ilustre.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Fundado com nome de "Folia Sobre Patins", grupo é dirigido por Marcello Massaini e Maria Tereza Bellangero
“Nós teremos um número brasileiro no novo show. Dentro dele, queremos colocar bolas de futebol e as meninas vestidas com o uniforme do Palmeiras, como homenagem pelo centenário do clube. A ideia é convidar o Marcos para participar de alguma maneira. Seria muito importante contar com ele nesse evento dos Periquitos em Revista”, disse Maria Tereza.

A pouco mais de três meses da estreia do novo show, as integrantes mantêm a rotina de ensaios semanais. Aproximadamente 40% do grupo participa da equipe de patinação artística competitiva do Palmeiras, que treina diariamente. Por tradição, os solistas dos espetáculos dos Periquitos em Revista precisam ter conquistado títulos pelo clube.

“Estamos preparando um espetáculo grandioso, com todos os números, coreografias, figurinos e cenários novos. Esse processo é muito difícil, porque não podemos fazer nada descartável. O material deve durar anos, já que nos apresentaremos por um longo período. Precisa ser tudo bem elaborado e reforçado”, disse Massaini, que já integrou o espetáculo como patinador.

Em média, os Periquitos em Revista fazem de oito a dez exibições por ano, algumas em cidades do interior de São Paulo - em 2014, no entanto, a trupe atuou menos do que de costume. Além de manter o caráter beneficente que marcou a criação do grupo há 60 anos, os diretores resolveram incluir portadores da síndrome de down dentro dos espetáculos.

Arquivo Pessoal
Maria Tereza já participou como patinadora
“Todos somos voluntários, não há ninguém que tenha comprometimento profissional. Os Periquitos em Revista são pioneiros na filantropia. O Criança Esperança, por exemplo, veio depois de nós. Aprendemos a ajudar as pessoas e hoje estamos preparando os integrantes para que possam continuar esse trabalho”, explicou Maria Tereza.

De acordo com a diretora, não é pequena a procura de associados interessados em integrar os Periquitos em Revista, o que exige uma seleção prévia. Entre os atuais 50 patinadores, há representantes de três gerações de uma mesma família, motivo de orgulho para o grupo, considerado um patrimônio da Sociedade Esportiva Palmeiras.

“O que nos mantêm vivos há 60 anos é o amor e a vontade de fazer acontecer. Se não amássemos o que fazemos, simplesmente não faríamos. Exercemos um trabalho educativo importante, passando noções de responsabilidade e comprometimento. É como se fosse uma escola, preparando futuros cidadãos. Há pessoas que se afastam por algum tempo e, quando voltam, dizem: ‘Foi o melhor período da minha vida’”, contou Massaini.