Futebol/Copa Sul-americana - ( )

"Apaixonado" por torneios continentais, Ceni festeja classificação

São Paulo (SP)

O goleiro Rogério Ceni foi um dos jogadores do São Paulo mais felizes com a vitória desta quinta-feira sobre o Criciúma, a qual garantiu classificação para as oitavas de final da Copa Sul-americana. Não apenas porque está a pouco mais de três meses de sua última partida como profissional, mas porque esse tipo de torneio é o seu favorito.

"Minha grande paixão sempre foi jogar competições internacionais. É que mudou tanto de nome, mas desde Recopa, Conmebol, Sul-Americana, Libertadores, Mundial... Mas essas competições fogem do cotidiano. É importante levar a marca São Paulo para a América do Sul", opinou o capitão, que saiu praticamente em silêncio depois da eliminação na Copa do Brasil e, desta vez, aplaudiu os companheiros ao término do triunfo por 2 a 0, no Morumbi.

O resultado foi construído no primeiro tempo. Aos 32 minutos, após cobrança de escanteio, o zagueiro Edson Silva tentou desvio de cabeça, a bola passou entre as pernas do zagueiro Ronaldo Alves e entrou. Em meio à confusão, a arbitragem deu o gol para o são-paulino. Oito minutos depois, com um pouco de sorte, Kaká ampliou e definiu a vantagem. Ele finalizou em cima de Galatto e, sem querer, concluiu o rebote com o joelho.

Rubens Chiri/www.saopaulofc.net
Goleiro saiu praticamente em silêncio após a queda na Copa do Brasil e comemorou a vaga na Sul-americana
"Depois do primeiro gol ganhamos confiança. Isso é tudo no jogo. Aquele gol do Edson mudou o panorama do jogo, o time jogou um pouco mais solto", analisou Ceni, sem se empolgar em excesso. "Não adianta se sentir confiante hoje. Domingo é outro jogo. Todo dia tem de estar ganhando".

O jogo de domingo será pelo encerramento do primeiro turno do Campeonato Brasileiro, também no Morumbi, contra o Sport. O time pernambucano poderá ser o último adversário de Ceni na carreira, no final do segundo turno. Algo que o goleiro garante não pensar no momento.

"Não posso pensar nisso agora. Temos que pensar no G-4. Acho que o momento não é nem para pensar no primeiro lugar, mas em se manter entre os quatro primeiros. O que vai acontecer em dezembro, a gente nunca sabe nem se vai estar jogando até lá. Tem que viver o dia de amanhã. A partir de agora, já vivo intensamente o jogo de domingo", concluiu.